1 dezembro 2021 4:43 pm
30.3 C
Rio Branco
1 dezembro 2021 4:43 pm

Disputa entre facções deixa ao menos 116 mortos em prisão do Equador

Conflitos em penitenciária na cidade de Guayaquil começaram na noite de terça-feira (28/9). Presidente declarou 'estado de exceção nacional em todo o sistema prisional'

Terra
-------- Continua depois da Publicidade--------

Um confronto entre facções rivais em uma prisão na cidade de Guayaquil, no Equador, deixou pelo menos 116 mortos e 80 feridos. Todos eram detentos.

Os conflitos e óbitos ocorreram a partir da noite de terça-feira (28/9), mas só nesta quarta o presidente equatoriano Guillermo Lasso confirmou o número de mortos.

Lasso declarou “estado de exceção nacional em todo o sistema prisional” após uma reunião com o comitê de segurança de Guayaquil.

“É lamentável que as prisões estejam se tornando território de disputas de poder por facções criminosas. O Estado equatoriano vai agir, devemos agir, e a primeira decisão que tomamos é declarar o estado de exceção do sistema penitenciário em todo o território equatoriano “, disse o presidente em entrevista coletiva.

O número de mortos no Equador é superior ao do maior massacre já registrado em uma prisão no Brasil — no Carandiru, em São Paulo (SP), quando 111 pessoas morreram em 1992.

Desesperados, familiares de detentos foram para o entorno da prisão exigir informações oficiais sobre vítimas e pedir proteção para prevenir novas mortes. Alguns também se dirigiram a um necrotério ao sul de Guayaquil em busca de informações sobre parentes.

Famílias desesperadas foram para o entorno da prisão exigir informações sobre vítimas e pedir proteção para detentos que sobreviveram
Famílias desesperadas foram para o entorno da prisão exigir informações sobre vítimas e pedir proteção para detentos que sobreviveram

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Granadas e decapitações

Fausto Buenaño, comandante da polícia local, afirmou na terça-feira que as gangues que entraram em confronto estavam tentando tomar o controle de um pavilhão da prisão.

Tiros e explosões em vários pavilhões acionaram as autoridades, que encontraram corpos feridos por balas e granadas.

O jornal El Comercio noticiou que várias vítimas foram mutiladas. Em cinco casos houve decapitações. Em outros, cortes de membros.

Na terça, o Serviço Nacional de Atenção Integral a Adultos Privados de Liberdade e Adolescentes Infratores (SNAI) afirmou que o “incidente teria começado devido a conflitos entre gangues de criminosos em um pavilhão do centro penitenciário”.

Parentes de presos foram atrás de informações na prisão e em necrotério de Guayaquil
Parentes de presos foram atrás de informações na prisão e em necrotério de Guayaquil

Foto: Reuters / BBC News Brasil

Em entrevista à rádio FM Mundo, Bolívar Garzón, diretor do SNAI, declarou: “Não tem sido fácil. Ontem (terça-feira) a polícia assumiu o controle às 14h, mas ontem à noite houve outros tiroteios, explosões. Hoje de manhã já tomamos o controle total e estamos entrando nos pavilhões envolvidos no conflito e descobrindo mais corpos.”

“É realmente uma tragédia, é algo tremendo o que está acontecendo — essa luta entre grupos criminosos organizados que, buscando poder interno, chegam a estes níveis (de violência). A situação é realmente terrível”, afirmou Garzón.

Este é o terceiro grande conflito registrado em uma prisão equatoriana em 2021.

Os dois anteriores ocorreram em fevereiro e julho e deixaram 79 e 22 mortos, respectivamente.

-------- Continua depois da Publicidade--------

ÚLTIMAS NOTÍCIAS