27 outubro 2021 2:25 am
21.3 C
Rio Branco
27 outubro 2021 2:25 am

Após quase um ano, polícia resgata mulher que sumiu do AC após viajar com o marido para interior do AM

G1 Acre
- Publicidade-

Depois que quase um ano de angústia, sem ter notícias da jovem Ana Lúcia Souza da Silva, de 25 anos, que sumiu da cidade de Xapuri, no interior do Acre, depois de viajar com o marido e os filhos do casal, a família chegou ao fim da busca nesta semana. Ela foi localizada na cidade de Lábrea, no interior do Amazonas e resgatada pela polícia.

Quando Ana deixou de manter contato com a família, eles começaram as buscas por ela e registraram um boletim de ocorrência. A irmã dela, Valdirene Azevedo contou que ela era casada e tem três filhos, mas que vivia em um relacionamento abusivo, sofria violência doméstica e que, inclusive, tentou se separar do companheiro, mas acabou voltando após ele fazer ameaças e usar os filhos para manipular ela.

Ana Lúcia voltou para a família em Xapuri nessa quarta-feira (1º). A Polícia Civil do Acre localizou a família com ajuda da polícia de Rondônia na segunda (30).

Ao G1, Ana contou que o marido disse inicialmente que eles se mudariam para Rio Branco. Depois de chegar na capital, eles foram para o estado de Rondônia e ficaram em Nova Califórnia e também em Extrema, e depois foram para o Amazonas, onde permaneceram até a polícia localizá-los.

“Ele usava muito os meninos para me atingir, a gente tinha separado e ele dizia que eu não ia mais ver as crianças e resolvi voltar para ele, foi quando disse que a gente ia mudar para Rio Branco. Fui e ele queria ir para mais longe, pedi para voltar, mas não deixou mais. Ele disse que eu iria trabalhar, então não me preocupei muito porque assim teria dinheiro. Só que arrumou emprego na zona rural e só ele podia trabalhar e foi assim depois indo mais pra mais longe”, contou.

 

A jovem disse que durante esse período não foi agredida fisicamente, mas que sofreu agressões psicológicas, além das ameaças e ela chegou a pensar que talvez não tivesse mais contato com a família e em julho deste ano perdeu as esperanças.

“Fiquei seis meses sem ir na cidade, sem pegar dinheiro. Ele nunca falou para mim que eu não ia falar mais com a minha família, mas nunca fez nada para que eu pudesse falar. Como era longe, ele não me levava, dizia que era ruim de transporte. Mas, quando era ele, sempre dava um jeito. Ele me torturava psicologicamente, falava que eu tinha problemas, que só ele e mais ninguém poderia me ajudar, só ele me amava”, relatou.

Além disso, ela relatou que os momentos de angústia encerraram quando a polícia chegou ao local e ela soube que o pai estava junto.

“Apanhar dele já apanhei não foi uma nem duas vezes. Então, foram momentos de angústia. Quando recebi a notícia, minha família perguntou se eu queria voltar e falei que era tudo que eu mais queria, e quando a polícia chegou para me buscar, perguntei se meu pai tinha ido e fui correndo até onde ele estava”, contou aliviada.

Medida protetiva

O G1não conseguiu contato com o delegado responsável pelo caso nesta quinta-feira (2), para saber como deve ser dado andamento ao caso a partir de agora. Mas, Valdirene, uma das irmãs de Ana Lúcia disse que ela está com uma medida protetiva.

“Ela está na fazenda com a nossa irmã, já foi na delegacia e prestou depoimento e também pediu uma medida protetiva contra o cidadão. Ela não sabia, mas acredito que ele sabia [que a família estava procurando] porque ficava se mudando”, contou.

A irmã contou que depois desse período a família está aliviada. “Impactou, quando liguei para minha irmã e ouvi a voz dele, foi como se alguém tivesse segurando meu coração e naquele momento soltasse e tive um suspiro de alívio.”

Entenda o caso

Valdirene contou que Ana Lúcia vivia na zona rural de Xapuri, em um relacionamento abusivo, e que já tinha tentado separar, mas acabou reatando.

“De tanto ele ameaçar, ela ficou com medo e veio embora para a cidade para morar em frente à casa da nossa mãe. Ela veio trazendo uma filha e ele ficou com os outros dois. Daí, passou dois meses aqui na cidade e do nada ele começou a inventar uma história de que se ela não voltasse para ele, o pessoal da facção ia matar ele e que estavam ameaçando os filhos dela. Então, ela foi de volta”, contou a irmã.

Ainda segundo Valdirene, quando Ana Lúcia chegou na casa onde vivia com o marido, eles foram surpreendidos por dois homens que teriam roubado os celulares e mandado que eles fossem embora daquele lugar. A família acredita que o assalto foi simulado pelo marido dela para que deixassem a cidade.

“Eles pegaram as roupas deles e foram embora. A última notícia que tivemos dela, ela estava há nove dias em Nova Califórnia, mas ela disse que não podia falar onde era porque ele não deixava. Tentamos ligar de novo para o número, mas não dava mais, dizia que não existe. Isso já tem sete meses e a gente sem notícias dela.”

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS