26 outubro 2021 11:28 pm
22.3 C
Rio Branco
26 outubro 2021 11:28 pm

Estudo da FGV aponta que Acre foi o único do Brasil a apresentar redução de pobreza

AC 24 Horas
- Publicidade-

Um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre), mostra que do primeiro trimestre de 2019 a janeiro de 2021, o percentual da população pobre aumentou em 24 das 27 unidades da federação brasileira. O índice de aumento está ligado principalmente às consequências econômicas causadas pela pandemia do novo coronavírus.

Apesar de ocupar o sexto lugar entre os estados mais pobres, o Acre foi um dos três estados que não registrou uma variação negativa, ou seja, não ficou mais pobre, como ocorreu com os demais Estados. Entre o primeiro trimestre de 2019 e janeiro de 2021, o Estado registrou recuo de 0,4%.

“Os três únicos Estados que não tiveram expansão da pobreza tinham participação acima de 30% dos pobres na população geral: Acre (46,4%), Pará (45,9%) e Tocantins (35,7%). Como referência, a fatia de população pobre na média do Brasil como um todo passou de 25,2% no primeiro trimestre de 2019 para 29,5% em janeiro de 2021”, pontua o jornal Valor Econômico.

Em São Paulo, por exemplo, a parcela de população pobre subiu de 13,8% em 2019 para 19,7% em 2021. No Rio de Janeiro, esse número ultrapassou um quinto da população, passando de 16,9% para 23,8%. Regiões como Sergipe (42,4% para 46,4%), Roraima (38,6% para 45%), Goiás (18,1% para 24%) e Distrito Federal (12,9% para 20,8%) também registraram um ritmo intenso da situação.

O levantamento registrou ainda uma expansão da parcela populacional em pobreza extrema em 18 das 27 unidades da federação, passando de 6,1% do total da população brasileira no primeiro trimestre de 2019 para 9,6% em janeiro deste ano.

Segundo o estudo, a tendência é que a pobreza e a pobreza extrema no país permaneçam em níveis mais elevados que os observados antes da pandemia, já que os auxílios sociais disponibilizados pelo governo durante o período pandêmico devem acabar e o mercado de trabalho continua fragilizado. Outro fator que pode contribuir para puxar os rendimentos para baixo é a alta inflação.

Os cálculos foram realizados a partir de dados de renda da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua e da Pnad Covid-19, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A classificação de pobreza no Banco Mundial, de renda per capita de R$ 450 por mês, também foi considerada.

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS