Rio Branco,

Pessoas não vacinadas são “fábricas de variantes”, diz infectologista

CNN Brasil
- Publicidade-

Pessoas não vacinadas fazem mais do que simplesmente arriscar sua própria saúde. Eles também são um risco para todos se forem infectados com o coronavírus, dizem especialistas em doenças infecciosas. Isso porque a única fonte de novas variantes do coronavírus é o corpo de uma pessoa infectada.

“Pessoas não vacinadas são fábricas variantes em potencial”, disse o Dr. William Schaffner, professor da Divisão de Doenças Infecciosas do Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, à CNN na sexta-feira (2).

“Quanto mais pessoas não vacinadas houver, mais oportunidades para o vírus se multiplicar”, disse Schaffner. “Quando isso ocorre, ele sofre mutação e pode desencadear uma mutação variante que é ainda mais séria no futuro.”

Todos os vírus sofrem mutação e, embora o coronavírus não seja particularmente propenso a mutações, ele muda e evolui.

A maioria das mudanças não significa nada para o vírus e algumas podem enfraquecê-lo. Mas, às vezes, um vírus desenvolve uma mutação aleatória que lhe dá uma vantagem – melhor transmissibilidade, por exemplo, ou replicação mais eficiente, ou capacidade de infectar uma grande diversidade de hospedeiros.

Os vírus com uma vantagem vencerão os outros vírus e, por fim, constituirão a maioria das partículas de vírus que infectam alguém. Se essa pessoa infectada passar o vírus para outra pessoa, passará a versão mutante.

Se uma versão mutante for bem-sucedida, ela se tornará uma variante. Mas tem que se replicar para fazer isso. Uma pessoa não vacinada oferece essa oportunidade.

“À medida que surgem mutações em vírus, as que persistem são as que facilitam a propagação do vírus na população”, disse Andrew Pekosz, microbiologista e imunologista da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, à CNN.

“Cada vez que o vírus muda, isso lhe dá uma plataforma diferente para adicionar mais mutações. Agora temos vírus que se espalham com mais eficiência.” Os vírus que não se espalham não podem sofrer mutação.

Variantes surgiram em todo o mundo: a variante B.1.1.7, ou Alpha, foi vista pela primeira vez na Inglaterra. A variante B.1.351, ou Beta, foi detectada pela primeira vez na África do Sul. A variante Delta, também chamada de B.1.617.2, foi vista pela primeira vez na Índia. E os EUA lançaram várias de suas próprias variantes, incluindo a linhagem B.1.427, ou Epsilon, vista pela primeira vez na Califórnia e a variante B.1.526, ou Eta, vista pela primeira vez em Nova York.

Uma nova variante já varreu grande parte do mundo. No verão passado, uma versão do vírus com uma mutação chamada D614G foi da Europa para os EUA e depois para o resto do mundo. A mudança tornou o vírus mais bem-sucedido – ele se replicou melhor – de modo que a versão substituiu a cepa original que surgiu na China. Ele apareceu antes que as pessoas começassem a nomear as variantes, mas se tornou a versão padrão do vírus.

A maioria das variantes mais recentes adicionaram alterações ao D614G. A variante Alpha, ou B.1.1.7, tornou-se a variante dominante nos Estados Unidos no final da primavera, graças à sua transmissibilidade extra. Agora, a variante Delta é ainda mais transmissível e deve se tornar a variante dominante em muitos países, incluindo os EUA.

As vacinas atuais protegem bem contra todas as variantes até agora, mas isso pode mudar a qualquer momento. É por isso que médicos e funcionários da saúde pública querem que mais pessoas sejam vacinadas.

“Quanto mais permitimos que o vírus se espalhe, mais oportunidades ele tem de mudar”, informou a Organização Mundial da Saúde no mês passado.

As vacinas não estão amplamente disponíveis em muitos países. Mas nos EUA há bastante oferta, com demanda em desaceleração. Apenas 18 estados já vacinaram totalmente mais da metade de seus residentes, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

“Atualmente, cerca de 1.000 condados nos Estados Unidos têm cobertura de vacinação de menos de 30%. Essas comunidades, principalmente no Sudeste e Centro-Oeste, são as mais vulneráveis. Em algumas dessas áreas, já estamos observando taxas crescentes de doenças”. A diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky, disse em uma entrevista coletiva na Casa Branca na quinta-feira.

“Cada vez que vemos o vírus circulando na população, particularmente uma população que tem bolsões de pessoas imunes, vacinadas e não vacinadas, você tem uma situação em que o vírus pode sondar”, disse Pekosz.

Se um vírus tentar infectar alguém com imunidade, ele pode falhar ou pode causar uma infecção leve ou assintomática. Nesse caso, ele se replicará em resposta à pressão de um sistema imunológico preparado.

Como um assaltante de banco cuja foto está em cartazes de procurado em todos os lugares, o vírus que terá sucesso será o vírus que faz uma mudança aleatória que o torna menos visível para o sistema imunológico.

Essas populações de pessoas não vacinadas dão ao vírus a mudança não apenas de se espalhar, mas de mudar. “Basta uma mutação em uma pessoa”, disse o Dr. Philip Landrigan, pediatra e imunologista do Boston College.

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img