Rio Branco,

‘Sem rumo’, diz acreana grávida de siameses que não poderão se separar

A manicure Arlete do Nascimento Pinheiro, de 22 anos, que mora em Cuiabá, está no 7º mês de gestação de gêmeos siameses.

GLOBO.COM
Arlete do Nascimento Pinheiro, de 22 anos, faz acompanhamento com médicos há seis meses em Cuiabá
- Publicidade-

A manicure Arlete do Nascimento Pinheiro, de 22 anos, que mora em Cuiabá, está no 7º mês de gestação de gêmeos siameses.

Ela vive a angústia de não saber se os filhos vão sobreviver. Os bebês de Arlete são grudados do tórax ao abdômen e dividem um único coração.

Arlete morava no Acre com a família. Há dois anos, eles se mudaram para a capital do Mato Grosso, em busca de uma vida melhor.

“Foi bem difícil, principalmente pelo fato de que ser mãe de novo era a realização de um sonho para mim. A minha filha pede demais isso, então no momento em que a médica falou: ‘seus bebês são siameses’, eu falei: o que é isso? por que?’. Eu saí da ultrassonografia sem rumo”, contou.

Gêmeos siameses dividem o mesmo coração — Foto: Arquivo pessoal

Acompanhamento médico

Desde o início da gravidez, ela faz acompanhamento com dois médicos. Segundo Arlete, os especialistas disseram que não será possível fazer a cirurgia de separação.

“Cada um tem seus rins, seu estômago, sua bexiga, mas o principal eles dividem, que é o coração, então não tem como fazer a cirurgia. Eles terão que viver assim até o momento que der. O médico sempre fala para não se apegar muito a nenhuma expectativa, viver um dia de cada vez”, disse.
Em meio às incertezas, Arlete e o marido ainda não escolheram o nome dos filhos.

“É uma gestação bem complicada, às vezes eles podem morrer na minha barriga mesmo. Estamos fazendo o possível, torcendo para que nasçam com saúde e o resto corremos atrás”, pontuou.

O parto

Arlete será acompanhada por uma equipe médica especializada no momento do parto, que deve avaliar se será possível realizar alguma cirurgia para ajudá-los a viver melhor.

Ultrassom mostra siameses — Foto: Arquivo pessoal

“O médico disse que pode chegar o momento em que o coração não suporte os dois corpos. A parte mais dolorida pra mim é que eles mexem muito. Minha filha se apegou à barriga. Ela fala: ‘mamãe, eles vão nascer? Eles estão demorando demais pra sair daí’, e eu falo com meu marido: como que vou explicar para ela quando eles saírem e não puderem vir para casa?”, disse.

A manicure disse que está recebendo apoio da família e das amigas do trabalho para continuar com esperança em dias melhores para os filhos.

Cirurgia inédita de siamesas

Em abril, o Fantástico mostrou que gêmeas siamesas unidas pelo tronco sobreviveram a uma cirurgia inédita no Brasil. Os pais moravam no interior de Rondônia.

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img