Rio Branco,

Governo gastou R$ 23 milhões para divulgar tratamento ineficaz contra Covid

Documento enviado pelo Ministério da Saúde à CPI da Covid e obtido pela TV Globo mostra que o governo informou à Procuradoria da República no Distrito Federal que foram gastos R$ 23,3 milhões com campanhas de divulgação do chamado tratamento precoce contra Covid.

G1
Informação consta de documentos enviados pelo Ministério da Saúde à CPI e obtidos pela TV Globo
- Publicidade-

Documento enviado pelo Ministério da Saúde à CPI da Covid e obtido pela TV Globo mostra que o governo informou à Procuradoria da República no Distrito Federal que foram gastos R$ 23,3 milhões com campanhas de divulgação do chamado tratamento precoce contra Covid.A manifestação do ministério foi enviada à Procuradoria em razão de uma apuração preliminar do Ministério Público sobre supostos atos de improbidade administrativa cometidos pelo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

O governo pagou US$ 10 (R$ 51,20, pela cotação desta sexta) por dose da vacina da Pfizer. Com os R$ 23,3 milhões gastos com a propaganda do tratamento precoce, seria possível adquirir 456.718 doses da vacina, o suficiente para imunizar com duas doses quase toda a população de uma cidade como Presidente Prudente (230 mil habitantes), no oeste de São Paulo.

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que não veiculou propaganda sobre tratamento precoce. “Foi realizada uma campanha sobre tratamento imediato para orientar a população a procurar uma unidade de saúde ao sentir os primeiros sintomas da Covid-19”, acrescentou a pasta.

Depois, o ministério informou que, na nota, deve-se ler “atendimento imediato” em vez de “tratamento imediato”.

Também no documento, foi informado que o governo gastou R$ 52 mil em passagens em diárias com os médicos que viajaram a Manaus para difundir a cloroquina, remédio ineficaz contra a Covid.

Segundo o documento do ministério, a Assessoria de Comunicação Social da pasta gastou R$ 3,4 milhões pela propaganda do tratamento precoce, e a Secretaria de Comunicação da Presidência, R$ 19,9 milhões, totalizando R$ 23.383.984,60. O documento não especifica a data dos pagamentos nem o período das campanhas.

O tratamento precoce, por meio do uso de medicamentos como cloroquina e ivermectina, é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro. No entanto, estudos científicos já comprovaram a ineficácia desses remédios contra a Covid.

Além disso:

a Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que a cloroquina não deve ser usada como forma de prevenção;

a Associação Médica Brasileira (AMB) diz que o uso de cloroquina e outros remédios sem eficácia contra Covid deve ser banido;

a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) diz que a cloroquina não tem efeito e deve ser abandonada.

Plano de comunicação

Conforme um outro documento do Ministério da Saúde, enviado à CPI da Covid e também obtido pela TV Globo, a pasta organizou um plano de comunicação no qual havia a previsão de divulgar, entre outras coisas, o tratamento precoce.

Esse documento mostra os mesmos números informados pelo governo à Procuradoria.

De acordo com esse plano, foram duas campanhas, uma com gastos do próprio ministério e outra com despesas pagas pela Secretaria de Comunicação da Presidência.

Esse documento informa que a campanha da Presidência teria como tema “Cuidado e Tratamento Precoce”; custaria R$ 19,9 milhões; e seria veiculada entre 17 de outubro e 30 de novembro em TV, rádio, internet, ônibus, terminais rodoviários, metrô, aeroporto e “mobiliário urbano”.

A outra campanha, do ministério, teria o mesmo tema; custaria R$ 3,4 milhões; e seria veiculada entre 25 de outubro e 20 de novembro em internet; ônibus; terminais rodoviários; metrô; e salões de beleza.

O documento também elenca “mensagens-chave”, a fim de se adotar um “trabalho mais elaborado de comunicação”. Essas mensagens envolvem campanha de vacinação; distanciamento social e uso de máscaras; tratamento médico; e discurso proativo.

Viagem de médicos a Manaus

Os documentos enviados à CPI da Covid também mostram que o governo gastou mais de R$ 52 mil em passagens e diárias com um grupo de médicos que foi a Manaus (AM) no início deste ano.

O grupo esteve na capital amazonense para difundir o uso de cloroquina e disponibilizar o aplicativo TrateCov, ferramenta que, segundo o Ministério da Saúde, facilitaria o diagnóstico de Covid, mas o resultado apresentava sempre a indicação de cloroquina.

O aplicativo saiu do ar e virou alvo da CPI.

Documento enviado pelo Ministério da Saúde à CPI da Covid e obtido pela TV Globo mostra que o governo informou à Procuradoria da República no Distrito Federal que foram gastos R$ 23,3 milhões com campanhas de divulgação do chamado tratamento precoce contra Covid.

A manifestação do ministério foi enviada à Procuradoria em razão de uma apuração preliminar do Ministério Público sobre supostos atos de improbidade administrativa cometidos pelo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

O governo pagou US$ 10 (R$ 51,20, pela cotação desta sexta) por dose da vacina da Pfizer. Com os R$ 23,3 milhões gastos com a propaganda do tratamento precoce, seria possível adquirir 456.718 doses da vacina, o suficiente para imunizar com duas doses quase toda a população de uma cidade como Presidente Prudente (230 mil habitantes), no oeste de São Paulo.

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que não veiculou propaganda sobre tratamento precoce. “Foi realizada uma campanha sobre tratamento imediato para orientar a população a procurar uma unidade de saúde ao sentir os primeiros sintomas da Covid-19”, acrescentou a pasta.

Depois, o ministério informou que, na nota, deve-se ler “atendimento imediato” em vez de “tratamento imediato”.

Também no documento, foi informado que o governo gastou R$ 52 mil em passagens em diárias com os médicos que viajaram a Manaus para difundir a cloroquina, remédio ineficaz contra a Covid.

Segundo o documento do ministério, a Assessoria de Comunicação Social da pasta gastou R$ 3,4 milhões pela propaganda do tratamento precoce, e a Secretaria de Comunicação da Presidência, R$ 19,9 milhões, totalizando R$ 23.383.984,60. O documento não especifica a data dos pagamentos nem o período das campanhas.

O tratamento precoce, por meio do uso de medicamentos como cloroquina e ivermectina, é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro. No entanto, estudos científicos já comprovaram a ineficácia desses remédios contra a Covid.

Além disso:

a Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que a cloroquina não deve ser usada como forma de prevenção;

a Associação Médica Brasileira (AMB) diz que o uso de cloroquina e outros remédios sem eficácia contra Covid deve ser banido;

a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) diz que a cloroquina não tem efeito e deve ser abandonada.

Plano de comunicação

Conforme um outro documento do Ministério da Saúde, enviado à CPI da Covid e também obtido pela TV Globo, a pasta organizou um plano de comunicação no qual havia a previsão de divulgar, entre outras coisas, o tratamento precoce.

Esse documento mostra os mesmos números informados pelo governo à Procuradoria.

De acordo com esse plano, foram duas campanhas, uma com gastos do próprio ministério e outra com despesas pagas pela Secretaria de Comunicação da Presidência.

Esse documento informa que a campanha da Presidência teria como tema “Cuidado e Tratamento Precoce”; custaria R$ 19,9 milhões; e seria veiculada entre 17 de outubro e 30 de novembro em TV, rádio, internet, ônibus, terminais rodoviários, metrô, aeroporto e “mobiliário urbano”.

A outra campanha, do ministério, teria o mesmo tema; custaria R$ 3,4 milhões; e seria veiculada entre 25 de outubro e 20 de novembro em internet; ônibus; terminais rodoviários; metrô; e salões de beleza.

O documento também elenca “mensagens-chave”, a fim de se adotar um “trabalho mais elaborado de comunicação”. Essas mensagens envolvem campanha de vacinação; distanciamento social e uso de máscaras; tratamento médico; e discurso proativo.

Viagem de médicos a Manaus

Os documentos enviados à CPI da Covid também mostram que o governo gastou mais de R$ 52 mil em passagens e diárias com um grupo de médicos que foi a Manaus (AM) no início deste ano.

O grupo esteve na capital amazonense para difundir o uso de cloroquina e disponibilizar o aplicativo TrateCov, ferramenta que, segundo o Ministério da Saúde, facilitaria o diagnóstico de Covid, mas o resultado apresentava sempre a indicação de cloroquina.

O aplicativo saiu do ar e virou alvo da CPI.

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img