Rio Branco,

Mulher morre após o parto em Marechal Thaumaturgo, que fica até 15 dias sem médico

AC 24 Horas
- Publicidade-

Suzete Mendes, 31 anos, morreu nesta sexta-feira, 28, depois de dar à luz na Unidade Mista de Saúde de Marechal Thaumaturgo, que é de responsabilidade da secretaria Estadual de Saúde (Sesacre). A mulher havia sido encaminhada para Cruzeiro do Sul por problemas na gestação, mas voltou para o município e faleceu . A criança sobreviveu.

O prefeito do município, Isaac Piyãko, cita que há muitos problemas na Unidade Mista de Saúde, que fica sem médicos por até 15 dias. “Muitas vezes as pessoas nem esperam pelo Tratamento Fora do Domicílio (TFD) e bancam a viagem ou a prefeitura garante. O problema é que também não tem como levar os pacientes de avião porque a pista do aeródromo está fechada, o Rio Juruá está seco e as viagens de barco levam um dia . É um sofrimento” , relata.

O aeródromo foi fechado em novembro do ano passado pela Agência Nacional de Aviação Civil- ANAC devido às más condições da pista. Quando o Rio Juruá está cheio a viagem de voadeira demora cerca de 8 horas até Cruzeiro do Sul. Neste período de pouca água no rio a viagem só é feita em barcos de rabeta, que demora até 24 horas.

Piyãko destaca que as obras de recuperação da pista, executadas pelo governo do Estado, estavam paradas e foram retomadas em ritmo lento. A falta da pista, de acordo com ele, ocasiona vários problemas.

“Os médicos não querem vir para cá por medo do isolamento. A falta da pista gera até falta de dinheiro nos bancos e correspondentes bancários e dificuldades para a troca de guarnições das polícias. Estamos abandonados pelo governo do Estado e vamos enfrentar muitas dificuldades neste verão”, desabafa o prefeito.

O município de Marechal Thaumaturgo, com 19.299 habitantes, fica no Alto Rio Juruá, na fronteira com o Peru. Não tem ligação terrestre com nenhuma cidade do Acre e os meios de acesso são pelo Rio Juruá ou de avião . Mas sem a pista de pouso para os pequenos aviões que faziam linha para Thaumaturgo, agora somente helicópteros podem chegar até o município. O helicóptero do governo do Estado faz o transporte de pacientes em casos de emergência.

Procuradas, a Regional de Saúde do Juruá e a assessoria de comunicação da Sesacre não responderam ao ac24horas sobre o fato do município de Marechal Thaumaturgo ficar até 15 dias sem médico.

Quanto ao aeródromo, o gerente do Deracre de Cruzeiro do Sul, Luciano Oliveira, relata que as obras não pararam e só ficaram mais lentas por causa do baixo volume de águas no Rio Juruá, por onde o material de construção é transportado. Ele acredita que este ano, o aeródromo deverá ser liberado. “O Rio Juruá se comporta de um jeito até Porto Walter e de lá até Thaumaturgo, de outro jeito mas nós vamos seguir transportando os insumos até que a pista esteja pronta e creio que este ano vamos concluir tudo”, conta.

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img