Rio Branco,

Jovem que ficou três meses internado após se afogar em igarapé tem alta e ainda não sabe que mãe morreu de Covid

Por G1 Acre

Após três meses internado por ter se afogado no Igarapé São Francisco, em Rio Branco, o adolescente Willy Bezerra da Silva, de 16 anos, recebeu alta e voltou para casa nesta segunda-feira (3). O jovem estava internado desde o dia 29 de janeiro, quando foi resgatado por populares de dentro do igarapé. Segundo testemunhas, Willy passou cerca de quatro minutos submerso nas águas.

O adolescente estava internado na enfermaria da Fundação Hospitalar do Acre. Willy segue sem conseguir falar e andar, mas vai continuar o tratamento na casa do pai.

“Continua como antes, sem andar e falar, na visão dos médicos ele tem um dano cerebral com poucas respostas. Só que, aos poucos, está tendo melhoras. Antes, quando a fonoaudióloga ia fazer a degustação com ele voltava pela traqueostomia e quando foi semana passada passou a engolir sozinho. Ele foi para a casa do pai, que teve o espaço adaptado”, contou o tio do menino, Robson Nascimento.

Não sabe da morte da mãe

Ainda segundo o tio, o adolescente ainda não tem condições de saber da morte da mãe. Meiriane Bezerra do Nascimento, de 35 anos, morreu com Covid-19 no dia 15 de março à espera de uma vaga no Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC).

“Os médicos acham que ele não consegue entender ainda. Também não é momento para a gente dizer isso”, resumiu.

Pequenas evoluções

Ainda segundo o tio, Willy já consegue respirar pelo nariz. Para a família, o adolescente consegue identificar e responder os parentes.

“O acompanhamento agora vai ser feito todo em casa. Já é bom demais, muita alegria. Acreditamos que ele reconhece quando conversamos com ele. A gente continua com nossas orações e acreditamos que ele vai voltar a andar e falar. Não vai ser rápido, mas em breve vamos ver ele andando. É tudo o que queremos”, celebrou.

Mãe sofria de depressão

Segundo a família, Meiriane sofria de depressão e adquiriu uma pneumonia semanas antes de falecer. Por conta disso, ela ia constantemente ao hospital tomar medicação. No dia 14 de março, Meiriane passou mal e foi levada para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Sobral. Fizeram o exame para Covid-19 no hospital, que deu positivo, e ela ficou aguardando uma vaga no Into-AC. No dia seguinte, a mulher não resistiu.

Segundo a família, o quadro depressivo de Meiriane se agravou após o acidente do filho. No início, ela ainda conseguia ficar com ele no hospital, acompanhou o tratamento do menino, mas, deixou de ir porque não tinha mais forças para ver o filho internado.

Submerso em igarapé

O menor estava brincando na ponte do igarapé, no bairro Raimundo Melo, no dia 29 de janeiro, quando caiu e teria ficado mais de quatro minutos submerso na água.

Populares que estavam no local acionaram uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e realizaram os primeiros socorros enquanto a ajuda médica chegava.

Quando a equipe do Samu chegou, os médicos passaram mais de seis minutos tentando reanimar o adolescente. Ele foi levado intubado e em estado grave para o pronto-socorro da capital e no mesmo dia foi transferido para o Hospital da Criança, onde ficou 16 dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No dia 12 de fevereiro, o adolescente foi submetido a uma traqueostomia e no dia 15 do mesmo mês foi transferido para um leito de enfermaria da unidade. Já no dia 22 de fevereiro, Willy foi levado para a semi-UTI da Fundação. No dia 7 de março, o adolescente deixou a semi-UTI e foi levado para a enfermaria.

O adolescente está sendo acompanhado por fonoaudiólogo e fisioterapeuta. Ainda segundo Robson Nascimento, a família foi informada que, em breve, uma assistente social deve fazer uma visita na casa deles para verificar a necessidade de instalação de equipamentos para que o menino possa voltar a morar no local.

ÚLTIMAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img