Rio Branco,

Ex-prefeito de Plácido de Castro é executado com dois tiros dentro do próprio veículo em Rio Branco

Dupla de motocicleta executa ex-prefeito de Plácido de Castro. Crime aconteceu em plena luz do dia em Rio Branco.

Ithamar Souza, Redação Ecos da Notícia
- Publicidade-

O ex-prefeito de Plácido de Castro Gedeon de Souza Barros, de 53 anos, foi assassinado na manhã desta quinta-feira (20), na BR-364, na rotatória da Corrente, no bairro Santa Inês, região do Segundo Distrito de Rio Branco.

Segundo informações da polícia, o ex-prefeito estava parado próximo ao Batalhão de Trabalho com uma pessoa no interior do próprio carro, quando foi surpreendido por dois criminosos que chegaram em uma motocicleta. O garupa desceu e, de posse de uma arma de fogo, se aproximou do vidro e realizou dois tiros que atingiram a cabeça de Gedeon. Após a ação, os bandidos fugiram do local.

A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu antes de receber socorro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A área foi isolada para os trabalhos da perícia. Agentes do Instituto Médico Legal (IML) recolheram o corpo e levaram para a sede, onde serão realizados os devidos exames cadavéricos.

Ameaças de morte

De acordo com o apurado, há dias Gedeon Barros comunicou a sua esposa que estava sendo ameaçado de morte. Ele havia falado a motivação e alertou que caso algo acontecesse com ele e quem seria o culpado ou mandante de algum crime de morte contra ele.

O Serviço de Inteligência da Secretaria de Segurança também já possuía essa informação.

De acordo com repassado a redação do Ecos da Notícia, é possível que o crime tenha tido motivação por questões de dividas contraídas por Gedeon durante a eleição do primeiro mandato dele.

Investigado pela Polícia Federal

Durante a Operação Contágio, da Polícia Federal, foram apuradas supostas irregularidades em licitações que teriam ocorrido no primeiro semestre do ano de 2020, no município de Plácido de Castro na gestão de Gedeon Souza Barros.

Conforme a PF, um dos contratos investigados envolvia mais de R$ 500 mil para a compra de equipamentos de proteção individual (EPI’s) para profissionais da saúde que atuavam no combate à pandemia causada pela Covid-19.

 

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img