Rio Branco,

Como uma onda no fundo do mar pode ter afundado o submarino da Indonésia

Na semana passada, a informação dada pela Marinha da Indonésia de que o afundamento do submarino NRI Nanggala, com 53 homens a bordo, pode ter sido causado por um fenômeno natural chamado “onda interna solitária”, deixou a imensa maioria das pessoas do planeta intrigadas. E perplexas.

Por UOL
Até então, praticamente ninguém fora do meio científico tinha ouvido falar de tal tipo de onda submersa

Na semana passada, a informação dada pela Marinha da Indonésia de que o afundamento do submarino NRI Nanggala, com 53 homens a bordo, pode ter sido causado por um fenômeno natural chamado “onda interna solitária”, deixou a imensa maioria das pessoas do planeta intrigadas. E perplexas.

Publicidade

Até então, praticamente ninguém fora do meio científico tinha ouvido falar de tal tipo de onda submersa.

No entanto, mesmo quem nunca pôs os pés em um submarino, mas já voou de avião, muito possivelmente já sentiu algo bem parecido, sob outro nome: turbulência.

As “ondas internas” são uma espécie de turbulência no fundo do mar. Só que, dependendo da região e da topografia do leito marinho, se tornam bem mais intensas do que uma simples turbulência no ar. E são bem mais comuns do que se possa imaginar.

Como o vento no ar

O princípio das ondas submarinas é o mesmo das correntes de ar.

No céu, quando o vento passa sobre uma colina íngreme, o ar é empurrado para cima, em um movimento contrário ao da gravidade. Mas, ao ser superado o obstáculo, a gravidade volta a agir e o movimento torna-se inverso, acelerando o ar para baixo. É o que acontece também no mar.

As “ondas internas” ocorrem quando os movimentos mais intensos das marés passam por grandes obstáculos no fundo do mar.

Mas só ganham dimensões realmente relevantes quando isso acontece em áreas onde há grande variação na densidade da água (leia-se temperatura e salinidade), entre a superfície e as partes mais profundas.

Quando essa “turbulência submarina” rompe a divisão das águas com diferentes densidades, surge uma “onda interna”.

E quando essa onda se superpõe a outras, acumulando toda a energia em uma só onda, que gera um fortíssimo movimento circular submerso, surge uma onda solitária interna – que é bem mais forte do que as ondas internas convencionais.

Ao que tudo indica, foi o que atingiu o submarino indonésio, que desapareceu no dia 21 de abril e foi achado, despedaçado, quatro dias depois, no fundo do Estreito da ilha de Bali.

Uma área sujeita a isso

No mesmo dia e horário, um satélite meteorológico japonês havia detectado a presença de movimentos de ondas internas na região onde ocorreu a tragédia.

Não era, contudo, nenhum fato raro, porque toda aquela região, com intenso fluxo de água entre os oceanos Pacífico e Índico, e fundo marinho bastante acidentado, sempre foi propícia a formação desse tipo de ondulações – que, por sinal, em menor escala, frequência e intensidade, acontece em todos os mares do mundo.

Ali, no entanto, o fenômeno é particularmente bem mais comum e intenso, fruto da combinação de grandes marés com altas montanhas submersas, que potencializam os efeitos das “ondas internas”.

Arrastado para o fundo?

“O mar da Indonésia concentra cerca de dez por cento das marés mais enérgicas do planeta”, atesta a oceanógrafa Bernadette Sloyan, do Instituto Oceânico e Atmosférico do Austrália, que fica ali perto. “E isso gera constantes instabilidades entre a superfície e as partes mais profundas, por conta das diferentes densidades em diferentes camadas de água”.

Na região, o fenômeno costuma ocorrer mais de uma vez por mês.

E, para azar dos submarinistas indonésios do NRI Nanggala, pode ter ocorrido justamente quando eles estavam submergindo, não permitido uma reação a tempo.

Quando muito intensa, uma onda solitária interna, que cumpre movimentos circulares, leva para o fundo o que encontra pela frente.

Uma delas pode ter provocado a descida acelerada e descontrolada do submarino, fazendo-o submergir muito mais do que poderia, o que gerou o colapso da sua estrutura, pelo aumento da pressão no fundo do mar.

Bem mais fundo do que poderia

Ao serem encontrados, os destroços do submarino indonésio estavam fragmentados em três partes, a 853 metros de profundidade – bem mais fundo do que ele fora projetado para suportar.

Embora este possa não ter sido o único motivo (geralmente, grandes acidentes são causados por uma fatal combinação de erros ou fatores), é, até o momento, o que melhor explica o naufrágio do NRI Nanggala, já que, segundo a Marinha da Indonésia, ao submergir, ele não mostrou nenhum indício de perda de energia ou pane elétrica a bordo, como inicialmente havia sido apontado como sendo a causa do desastre.

As autoridades também negaram que o acidente tenha tido a ver com a idade avançada do submarino, que foi construído 40 anos atrás, ou com a precariedade na sua manutenção, já que a última grande revisão pela qual ele passou aconteceu em 2012.

De qualquer forma, a razão oficial do acidente permanece incerta, embora tudo aponte para a participação decisiva de uma gigantesca onda solitária interna na tragédia.

Outra onda assustadora

Embora muitíssimo menos conhecidas, as ondas solitárias internas não são as únicas ondulações que geram temores nos navegantes – embora elas praticamente não afetem a superfície do mar.

Outra preocupação bem mais latente para barcos e navios de superfície (já que submarinos também são “navios”, só que navegam debaixo d ´água) são as chamadas “ondas loucas”, que, sob certas situações, geram autênticas montanhas de água, capazes de engolir embarcações inteiras na superfície.

O caso mais famoso do gênero aconteceu mais de um século atrás, embora as ondas loucas existam até hoje.

O caso mais famoso

Em 1909, o navio cargueiro inglês Waratah desapareceu completamente no mar da costa da África do Sul (uma área, tal qual a do Estreito de Bali, bastante sujeita a fenômenos marítimos assustadores), sem deixar nenhum vestígio no mar.

A única conclusão possível foi a de que ele fora tragado inteiro por uma única onda, o que levou os cientistas da época a começarem a acreditar nas chamadas “ondas loucas”, que os marinheiros da região relatavam, sem serem levados à sério – clique aqui para conhecer esta impressionante história.

Naquela época, as ondas gigantes também eram fenômenos praticamente desconhecidos pela imensa maioria das pessoas. Tal qual a intrigante onda solitária interna, que, ao que parece, vitimou o submarino indonésio e seus pobres 53 ocupantes


Publicidade




ÚLTIMAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Publicidade