Rio Branco,

Bebê indígena de 2 meses morre de Covid-19 após três dias de viagem de barco para chegar em hospital no AC

Por G1 Acre

Uma bebê indígena do povo Ashaninka de apenas dois meses vida está entre as vítimas da Covid-19 no Acre. A pequena Bianca Kampa chegou a ser socorrida por uma equipe de saúde e levada ao Hospital Geral de Feijó, mas não resistiu à doença e morreu logo após dar entrada na unidade.

Para chegar na Aldeia Nova Floresta, no Rio Envira, na zona rural de Feijó, a equipe de saúde levou quatro dias de viagem de barco e mais três dias de descida do rio para retornar à cidade com a criança. Ou seja, foram sete dias de viagem para socorrer a pequena indígena.

As informações foram confirmadas pela conselheira do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) Alto Rio Juruá em Feijó, Edna Shanenawa. Segundo ela, o barqueiro foi acompanhado por um técnico de saúde indígena para fazer o resgate da bebê. A menina chegou até o hospital da cidade na quinta-feira (15) e morreu horas depois. O G1não conseguiu contato com a família da criança.




“Ela foi bem atendida, o técnico de saúde indígena foi junto com o barqueiro para buscá-la na aldeia, quando chegou foi logo encaminhada ao hospital, lá os médicos a atenderam. Mas, infelizmente ela não resistiu, acredito que por conta do tempo que levou para chegar no hospital mesmo”, disse a conselheira.

Por conta da distância até o local onde morava, a bebê foi enterrada em Feijó mesmo, segundo informou Edna. “Infelizmente não é possível levar, eles acabam tendo que ser enterrados ou na cidade ou na aldeia Morada Nova, que é uma terra indígena mais próxima do município de Feijó.”

Casos de Covid-19 entre indígenas

Os casos confirmados do novo coronavírus entre os indígenas do Acre chegaram a 2.571. O número corresponde a levantamento feito até sexta (16), pela Comissão Pró-Índio do Acre (CPI-AC). Os dados são divulgados semanalmente.

Ao todo, no estado são 14 povos atingidos com casos de Covid-19. De acordo com os dados, 30 indígenas morreram vítimas da doença. Dos casos registados de contaminação, 1.313 são de índios que vivem em terras indígenas e outros 1.258 entre indígenas que vivem nos municípios.

O boletim que é divulgado pela CPI-AC e Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (Amaaiac), Organização dos Professores Indígenas do Acre, com informações das lideranças e organizações indígenas, Dseis Juruá e Purus e Sesacre.

O documento aponta que entre os povos atingidos estão: Puyanawa; Jaminawa; Jaminawa Arara; Manxineru; Huni Kui (Kaxinawa); Madijá (Kulina); Shawãdawa (Arara); Shanenawa; Yawanawa; Nikini; Nawa; Noke Ko í (Katukina); Apolima Arara e Ashaninka.




ÚLTIMAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img