Rio Branco,

Desembargador aposentado Jorge Araken morre aos 83 anos vítima da Covid-19

Luto

Por Redação Ecos da Notícia, com informações ac 24horas

O desembargador aposentado, Jorge Araken, morreu na madrugada deste sábado, 12, vítima de complicações provocadas pela Covid-19. Ele estava internado em um dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Juliana, em Rio Branco.

A causa da morte, divulgada em uma rede social de seu filho, foi falência pulmonar e renal. Araken tinha 83 anos e a saúde debilitada desde 2012, quando foi acometido de uma gravíssima infecção óssea.

Atuando como desembargador e advogado, Araken deixa seu nome gravado na história da justiça acreana.

Em 2015, foi contemplado com a Comenda do Cinquentenário, instituída por ocasião de 50 anos do Ministério Público no Acre e concedida, como forma de reconhecimento, a autoridades que contribuíram para o engrandecimento do MP Estadual.

A família ainda não informou detalhes sobre o velório e sepultamento. Como acontece em casos de morte por Covid-19, as celebrações devem ficar restritas a poucos familiares.

Em uma rede social, Jorge Araken Filho se referiu ao pai como um homem que viveu entre os livros, nunca deixou de ser ético, nasceu para ser professor e tinha a magistratura no coração e a advocacia na mente privilegiada.

O Tribunal de Justiça do Acre publicou uma nota de pesar onde enaltece aos serviços prestados pelo desembargador aposentado.

NOTA DE PESAR

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJAC), desembargador Francisco Djalma, comunica à classe forense e à comunidade em geral, o falecimento do desembargador aposentado Jorge Araken Faria da Silva, ocorrido na manhã deste sábado, 12.

O desembargador estava em tratamento de saúde na UTI, do Hospital Santa Juliana, em Rio Branco, em consequência de complicações decorrentes de sua contaminação por COVID-19.

Jorge Araken permaneceu no Poder Judiciário Acreano de 1968 a 1985 e foi o único desembargador, até então, presidente do Poder Judiciário Acreano por dois mandatos (1974 – 1975 e 1984 – 1985), quando a Corte Acreana de Justiça era composta ainda por cinco desembargadores.

Nascido na cidade do Rio de Janeiro, o desembargador tinha 84 anos. Ele deixa três filhos e três netos.

Conhecido por seu compromisso e trabalho com legalidade no âmbito jurídico e acadêmico, suas histórias e inteligência, sua garra e luta por conquistas, o desembargador Jorge Araken deixa uma trajetória marcada pelo servir, missão que exerceu com respeito e dignidade, honrando o direito público. Como legado fica a sua dedicação magistral à prestação jurisdicional.

A Administração do TJAC decreta luto oficial de três dias, e em nome de todo o Poder Judiciário do Estado do Acre, solidariza-se com a família enlutada e pede a Deus o consolo necessário neste momento de tristeza e dor.

* Por orientação das autoridades sanitárias, devido a pandemia não será realizado velório. Por está razão também não serão divulgadas informações sobre o sepultamento.

 




ÚLTIMAS