Rio Branco,

Defesa da acusada de matar grávida de Canelinha deve pedir novo laudo psicológico

Barbárie

Por Ecos da Notícia, com informações NDmais

De acordo com o laudo do IGP, a acusada é sã e poderá ser julgada pelo crime. De acordo com a defesa, um novo exame será solicitado.

O laudo solicitado pela defesa da acusada de matar uma mulher grávida e roubar o bebê, em Canelinha, apontou que ela é mentalmente sã e poderá ser julgada pelo crime. Com o laudo, o processo, que estava suspenso, será retomado.

Defesa da acusada de matar grávida em Canelinha deve pedir novo laudo psicológico. – Foto: Arquivo pessoal

A defesa de Rozalba Maria Grime deve solicitar uma contraprova do laudo, desta vez com um psiquiatra particular. O advogado Rodrigo Goulart, responsável pela defesa da ré, acredita que o pedido deve ser deferido e o novo laudo deva sair em até 30 dias.

Rozalba, de 26 anos, foi denunciada pelo MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) pelohomicídio da grávida, com a intenção de roubar o bebê. O caso aconteceu em agosto.

Os exames foram realizados pelo IGP (Instituto Geral de Perícias) e concluíram que a ré “não possui qualquer transtorno psiquiátrico, doença mental, perturbação da saúde mental ou desenvolvimento incompleto ou retardado”.

Jovem grávida que estava desaparecida é achada morta sem o bebê, em Canelinha – Foto: Reprodução internet

O marido de Rozalba, Zulmar Schiestl, de 44 anos, havia sido denunciado também, inicialmente, por participação no crime. Ele chegou a ser preso preventivamente. No entanto, a análise das provas concluiu que ele foi enganado pela esposa. Ele foi solto, a pedido do MP.

Se nenhum outro elemento surgir no ao longo do processo, Zulmar também deve ser excluído da denúncia apresentada pela possível prática dos crimes de feminicídio, tentativa de homicídio, parto suposto, subtração de incapaz e ocultação de cadáver. Na ação penal, que já foi recebida pelo Judiciário, o MPSC requer que os denunciados sejam submetidos ao julgamento do Tribunal do Júri da comarca de Tijucas.




ÚLTIMAS