Rio Branco,

Amazônia: Maior área desmatada desde 2008 com mais de 11 mil km²

Por G1

A área desmatada na Amazônia foi de 11.088 km² entre agosto de 2019 e julho de 2020, de acordo com números oficiais do governo federal divulgados nesta segunda-feira (30) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

De acordo com o Inpe, trata-se de um aumento de 9,5% em relação ao período anterior (agosto de 2018 a julho de 2019), que registrou 10.129 km² de área desmatada.

É a maior área desde 2008, quando o Prodes apontou 12.911 km² desmatados. O Pará concentra quase metade do desmatamento na atual temporada.

Intenção x realidade

O número mostra que a gestão do presidente Jair Bolsonaro e do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles não conseguiu cumprir a intenção anunciada no ano passado. Sem citar meta, Salles disse que pretendia eliminar o desmate ilegal com o estabelecimento de “estratégias”.

Especialistas ouvidos pelo G1 apontam que o aumento agora anunciado não é surpresa, já que ao longo da temporada o governo:

enfraqueceu a atuação do Ibama na fiscalização, levando o tema a ser alvo de ação na Justiça Federal;

facilitou a exportação de madeira ilegal;

foi questionado por países que cobram a eliminação do desmatamento das cadeias de produtos agrícolas vendidos para a Europa;

empresas também cobraram a redução do desmate para manter negócios com o Brasil;

apostou na presença do Exército, embora operação seja mais cara do que a presença dos fiscais;

incentivou a ação de garimpeiros na região;

e entre outros pontos, mantém paralisados R$ 2,9 bilhões do Fundo Amazônia antes usados também em ações de fiscalização.

Foco da fiscalização

Em evento na sede do Inpe, o vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, disse que o combate ao desmatamento com o emprego das Forças Armadas começou “atrasado”, mas ele defende que surtiu efeito, já que as estimativas indicavam aumento de 20% e o número ficou em 9,5%.

“Não é nada para comemorar, muito pelo contrário. O nosso estado final desejado é não ter mais desmatamento ilegal em hipótese alguma dentro da Amazônia.” – Hamilton Mourão, vice-presidente

O vice disse ainda ter clareza de onde é preciso concentrar esforços. “É importante que todos tenham consciência que o desmatamento ocorre primordialmente em quatro estados da Amazônia (Pará, Mato Grosso, Amazonas, e Rondônia). Eles são responsáveis por 85%. (…) Temos consciência de qual é a área que devemos atuar”, disse Hamilton Mourão.

Mourão admitiu que há falta de fiscais e que os militares da Operação Verde Brasil 2 não podem realizar autuações.

“É nítido e notório que as nossas agencias de fiscalização eles sofreram redução de pessoal como todas as agencias. É uma discussão que nós temos dentro do governo, de contratar mais gente”, disse Mourão. “As Forças Armadas não realizam a fiscalização. Elas propiciam o apoio logístico”, disse Mourão.

O ministro Ricardo Salles não participou da apresentação dos dados.

Origem dos dados da temporada

Os dados são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), considerado o mais preciso para medir as taxas anuais. Ele é diferente do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), que mostra os alertas mensais e já sinalizava tendência de aumento.

Comparada com os alertas, a taxa oficial de desmatamento foi 27% maior do que apontava o Deter.

O Inpe considera a taxa divulgada nesta segunda uma estimativa, já que a taxa consolidada será apresentada no primeiro semestre. Na temporada anterior, a taxa consolidada acrescentou 367 km² (em 18/11/2019 foram divulgados 9.762 km², depois a taxa consolidada subiu para 10.129 km² em 9/6/2020).

Período de agosto a julho

O Prodes considera o intervalo entre agosto e julho porque o período abrange tanto as épocas de chuva quanto as de seca na região amazônica. Desse modo, leva em conta os momentos mais cruciais no “ciclo do desmatamento” e é capaz de identificar eventuais influências do clima.

O levantamento do Prodes é realizado desde 1988. A informação publicada nesta segunda ainda é preliminar: como em edições anteriores, o Inpe revisará o dado no primeiro semestre do ano seguinte, para chegar à taxa consolidada.

O Prodes faz o mapeamento com imagens dos satélites Landsat, CBERS e ResourceSat. O sistema consegue quantificar as áreas desmatadas maiores que 6,25 hectares. Também registra o chamado “corte raso” das florestas, que é a remoção completa da cobertura florestal primária.

Histórico do Prodes
O pico do desmate ocorreu em 1995, 29.059 km², em período que abrange os governos Itamar Franco e Fernando Henrique, sendo que o número caiu para 13,2 mil km² em 1998.

Já em 2004 (agosto/2003 – julho/2004) novamente a área passou dos 20 mil km², chegando ao total de 27,7 mil km².

À época sob a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva, o governo lançou um plano de ação que incluiu a criação do Deter. Na visão dos especialistas, as medidas foram essenciais para a trajetória de queda nos anos seguintes, chegando ao menor número em 2012, com cerca de 4,5 mil km² desmatados.




ÚLTIMAS