Presidente da Aleac diz que dinheiro encontrado pela PF em sua casa é lícito - Ecos da Notícia
Siga-nos

Rio Branco,

Presidente da Aleac diz que dinheiro encontrado pela PF em sua casa é lícito

Redação Ecos da Notícia

Foto: Divulgação

Em cumprimento de mandados da Operação Acúleo, na manhã desta sexta-feira (11), a Polícia Federal encontrou mais de R$ 120 mil em um cofre na casa da presidente da Assembleia Legislativa do Acre, Nicolau Júnior. Em nota, o deputado afirmou que os valores em espécie possuem fonte lícita.

A operação da PF tem objetivo de coletar novos elementos de prova nos autos de Inquérito Policial que apura irregularidades em contratações públicas realizadas pela Prefeitura de Cruzeiro do Sul. Foram cumpridos mandados na Aleac, bem como nas residências de ex-servidores públicos, servidores públicos em exercício, agentes políticos e empresários do Vale do Juruá.

Alvo da operação, Nicolau Júnior disse, por meio de nota, que nunca manteve com a Prefeitura de Cruzeiro do Sul, na atividade empresarial, qualquer tipo de contratação ou negócio que justificasse tal medida e afirmou que não tratou de qualquer assunto que não fosse no legítimo interesse de ajudar a população de Cruzeiro do Sul.

“Importante salientar que os valores em espécie encontrados em sua residência foram todos apresentados, possuindo fonte lícita e são oriundos da sua atividade empresarial e de produtor rural, devidamente registradas, sendo fruto unicamente de relações com pessoas físicas e jurídicas privadas, sem qualquer vinculação com o poder público”, esclareceu a assessoria jurídica de Nicolau.

A assessoria informou ainda que solicitou imediato acesso aos autos, a fim de entender quais acusações se dirigem ao deputado.

Nicolau disse que apoia qualquer ação estatal séria que busque esclarecer fatos apontados como ilícitos e que coloca à inteira disposição das autoridades judiciárias para o que for necessário.

Confira a nota:

Conforme noticiado pela imprensa, na manhã de hoje, agentes da Polícia Federal, cumprindo mandado de busca e apreensão expedido pela desembargadora Federal Maria do Carmo Cardoso, estiveram nos endereços pessoal e profissional a fim de coletar documentos no interesse de investigação que, aparentemente, apura irregularidades em contratações públicas realizadas pela Prefeitura Municipal de Cruzeiro do Sul.

Nicolau Júnior nunca manteve com a Prefeitura, na atividade empresarial, qualquer tipo de contratação ou negócio que justificasse tal medida. Tampouco, atividade política, tratou de qualquer assunto que não fosse no legítimo interesse de ajudar a população de Cruzeiro do Sul.

Por isso, causa estranheza que tal ordem tenha sido a ele dirigida.

Mesmo assim, prontamente colaborou com as autoridades, franqueando amplo acesso a todos os dados que eventualmente possam colaborar com a elucidação dos fatos investigados.

Importante salientar que os valores em espécie encontrados em sua residência foram todos apresentados, possuindo fonte lícita e são oriundos da sua atividade empresarial e de produtor rural, devidamente registradas, sendo fruto unicamente de relações com pessoas físicas e jurídicas privadas, sem qualquer vinculação com o poder público.

Solicitamos de imediato acesso aos autos, a fim de que possamos entender quais acusações se dirigem à pessoa do Deputado Nicolau Júnior.

Como cidadão e homem público, chefe do Poder Legislativo estadual, apoia qualquer ação estatal séria que busque esclarecer fatos apontados como ilícitos, razão pela qual se coloca à inteira disposição das autoridades judiciárias para o que for necessário.

Cruzeiro do Sul, 11 de setembro de 2020.

Assessoria Jurídica.

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.