Mundo ultrapassa 900 mil mortos pelo novo coronavírus - Ecos da Notícia
Siga-nos

Rio Branco,

Mundo ultrapassa 900 mil mortos pelo novo coronavírus

O Globo

O mundo ultrapassou nesta quarta-feira a marca dos 900 mil mortos pelo novo coronavírus, segundo a universidade americana Johns Hopkins, que se baseia em dados oficiais de cada país. Ao todo, mais de 27 milhões de pessoas já foram contaminadas pela Covid-19 desde o início de janeiro, quando surgiram os primeiros relatos da doença.

Em números absolutos, o país com mais óbitos é os Estados Unidos, onde mais de 190 mil pessoas morreram. Em seguida vem o Brasil, com mais de 128 mil mortos. Depois estão Índia (73 mil), México (68 mil) e Reino Unido (41 mil). Juntas, essas cinco nações já somam mais da metade das mortes no mundo.

Já em relação ao total de casos da Covid-19, os EUA se mantêm em primeiro lugar, com 6,3 milhões de infectados. Em segundo está a Índia, que nesta semana ultrapassou o Brasil e já passa dos 4,3 milhões de contaminados pelo vírus altamente contagioso. A nação brasileira vem em terceiro lugar, com 4,1 milhões de casos. Em seguida aparecem Rússia (1 milhão) e Peru (696 mil).

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a região com mais mortes pelo coronavírus é o continente americano, que tem pouco mais do que o dobro dos óbitos da Europa, a segunda mais afetada. Nesta quarta-feira, a América Latina chegou ao total de 300 mil mortos pela pandemia, representando, sozinha, um terço de todos os óbitos.

Cerca de 5.600 pessoas morrem a cada dia pela Covid-19, segundo cálculo da agência Reuters que levou em conta os dados das últimas semanas. Foram necessários 18 dias para o mundo ir de 800 mil a 900 mil mortos. Antes, havia levado 17 dias para ir de 700 mil a 800 mil.

Entre os três países mais afetados, a taxa de mortalidade na Índia gira em torno de 1%, enquanto o Brasil e os Estados Unidos tem o mesmo índice, em torno de 3%, seguindo a média mundial.

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.