25 outubro 2021 9:51 pm
21.3 C
Rio Branco
25 outubro 2021 9:51 pm

Polícia Civil prende suspeitos de ter matado travesti a pauladas em Rio Branco

Crime elucidado

Redação Ecos da Notícia
Fernanda Machado foi morta a pauladas em Rio Branco | Foto: Reprodução
- Publicidade-

A Polícia Civil prendeu, nesta segunda-feira (3), Vitor Alexandre da Silva Junqueira e Rafael Keven Araújo Braga. Investigações apontam que dupla estaria envolvida na morte da travesti Fernanda Machado da Silva, de 27 anos, que ocorreu no dia 25 de junho.

Fernanda foi morta a pauladas na Rua Minas Gerais, no Bairro Preventório, em Rio Branco. As investigações demonstraram que a vítima sofreu várias agressões após ser acusada de ter furtado um aparelho celular de dois homens.

Mesmo a travesti negando que tivesse feito o furto, duas pessoas começaram a espancar a vítima com pedaços de pau. Após o crime, a dupla fugiu. Horas depois, uma ambulância foi acionada, mas constatou que a travesti não tinha resistido aos ferimentos.

Mulher presa por tráfico

No momento da prisão dos envolvidos, os agentes da Polícia Civil prenderam ainda uma mulher em flagrante pelo crime de tráfico de drogas.

Na ocasião foram apreendidos: 548 trouxinhas, papelotes e barras substância de entorpecentes, balança de precisão e outros objetos que configuram o delito.

Peça publicitária

Em nota, o Ministério Público e a Associação das Travestis e Transexuais do Acre (ATTRAC) lamentaram a morte da vítima e divulgaram um vídeo em que aparece a travesti ao lado da mãe e falando sobre violência. A peça publicitária foi divulgada pelo Ministério Público do Acre no Dia do Orgulho LGBT.

Nas imagens, a mãe de Fernanda, diz que tem orgulho da filha e fala do amor que sente. “Eu tenho orgulho de ter minha filha, não tenho preconceito, amo ela do jeito que ela é, para mim vai ser minha filha amada do coração sempre. Eu amo muito ela”. Em seguida, as duas se abraçam.

O vídeo traz ainda uma fala de Fernanda, onde ela diz que é preciso educar a sociedade para combater a violência contra a comunidade LGBT. “Mata-se muito LGBTs no Brasil e no mundo”.

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS