28 outubro 2021 12:16 am
25.3 C
Rio Branco
28 outubro 2021 12:16 am

“Foram 8 anos de peia”, diz delegado sobre mulher e criança que eram mantidas presas em casa na zona rural de Rodrigues Alves

cárcere privado

Juruá Em Tempo
- Publicidade-

 

 

foto reprodução

Uma mulher que era mantida sob cárcere privado, junto com a enteada dela, no Ramal do Havaí, em Rodrigues Alves, foi espancada durante oito anos pelo marido. A menina, de 12 anos, também era vítima de agressões desde quando foi morar com o pai, há 4 anos.

De acordo com o delegado José Obetanio, as agressões eram constantes e de várias formas. As vítimas eram ameaçadas para não sair de casa e para não procurar as autoridades para fazer denúncia.

“O peste vivia batendo na mulher, batendo na filha. As mãos da menina todas inchadas de pau, a perna da mulher tá só o bagaço. Foram oito anos de peia praticamente todo dia”, disse o delegado.

A Polícia Civil teve conhecimento do caso nesta terça-feira (11), por meio de denúncias anônimas e foi ao local que fica distante da cidade onde fez a prisão do suspeito.

“Pressuponho que ele tinha a falsa impressão que passava despercebido, porque morava lá na zona rural e tenho certeza que não passava pela cabeça dele que esses fatos chegassem ao conhecimento da polícia. Por isso, segundo a criança, ele usava pedaços de pau, em uma dessas agressões, ele usou uma pá e a criança ficou com as mãos cheias de lesões e não pode vir para a cidade para receber atendimento médico porque ele não autorizava a sair”, relatou Obetânio.

Segundo o delegado, além da menina, que é filha do suspeito com outra mulher, moravam na çasa a atual companheiro e um menino filho do casal que era o único que não sofria agressões físicas. A menina foi levada para morar com a mãe dela que também mora na zona rural de Rodrigues Alves.

O homem foi indiciado por violência doméstica e pelo crime de cárcere privado.

“O homem é altamente descontrolado, não respeitava a família dele, não respeitava a sociedade e estava precisando urgentemente de corretivo. Essa alma sebosa disse que preferia exercer o direito constitucional dele de permanecer calado, mas já está no hotel fazenda, que é a penitenciária Manoel Néri da Silva”, afirmou o delegado.

- Publicidade-
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS