8 dezembro 2021 12:57 am
24.3 C
Rio Branco
8 dezembro 2021 12:57 am

Sem proteção adequada, médica se afastar do combate à Covid: “Não pude expôr minha família”

Riscos

Época
-------- Continua depois da Publicidade--------

Médica de Família e Comunidade e funcionária de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Júlia Rocha decidiu interromper o trabalho no atendimento de pacientes com a Covid-19 por avaliar que, sem equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados, colocaria a saúde de sua filha e de seu marido em risco. Por estar trabalhando com pacientes infectados e ainda estar amamentando, decidiu ficar em casa.

“Chegou a ficar bem tenso no começo e eu, depois de pensar muito, decidi me afastar. Meu marido é do grupo de risco, ele tem asma. Com isso, eu teria que ficar sem contato com ele e com a minha filha por tempo indeterminado. Isso foi demais pra mim”, contou à coluna.

Segundo Rocha, os EPIs fornecidos não eram suficientes.

“Tenho consciência que os equipamentos que usamos pra nos proteger não garantem nossa saúde e não pude expor minha família dessa forma. Minha filha chorava todo dia pra me ver. Eu via as pessoas nas ruas, sem a menor noção do que estávamos passando na emergência. Isso pesou muito pra eu buscar outras alternativas. Quando vi minha filha chorando em uma chamada de vídeo decidi parar”.

A médica, que também é cantora profissional, sempre trabalhou em postos de saúde, com atenção primária à saúde, e começou a atender na UPA nos primeiros dias da pandemia.

“Meu marido e minha filha tiveram que fazer mala e sair de casa. Ficaram de favor na minha mãe, com a rotina toda improvisada. Eu sem garantia nenhuma no trabalho. Se eu adoecesse e morresse ia deixar só minhas dívidas pra eles. Tinha vínculo como autônoma. Depois da primeira semana de plantões eu decidi passar meus compromissos na UPA para outros colegas e tive de esperar 14 dias para poder rever minha filha”, lembra.

A cantora nasceu aos 15 anos de idade — ela está com 36 — e depois naturalmente conciliou a atividade com a medicina.

“A cantora traz intuição, leveza… a Júlia cantora emociona a Júlia médica. A medicina me mostra a dureza e a complexidade da vida. Me mostra como a exploração e a desigualdade matam mães, país, avós, bebês. A medicina me faz ser uma artista muito mais engajada politicamente porque me traz o sofrimento sem glamour. Me traz o cheiro da dor do outro e me obriga a ter compaixão”, compara.

-------- Continua depois da Publicidade--------

Musical com Papai Noel gay é barrado pela Prefeitura de Rio Branco; MPF investiga veto

Projeto não foi aprovado pela análise de mérito durante avaliação de comissão formada por servidor da prefeitura e classe artística. Comissão organizadora do musical entrou com recurso contra a decisão.
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS