6 dezembro 2021 3:40 am
23.3 C
Rio Branco
6 dezembro 2021 3:40 am

Para ajudar no combate à Covid-19, governo do AC pede reforço de médicos formados no exterior

G1
-------- Continua depois da Publicidade--------

O governo do Acre enviou um pedido ao governo federal e ao Conselho Regional de Medicina (CRM-AC), em caráter de urgência, a ajuda de médicos formados no exterior para reforçar as ações de combate ao novo coronavírus no estado.

Os profissionais exigidos precisam ter o diploma validado para atuar no combate à doença durante o período de calamidade pública.

O pedido foi encaminhado na segunda-feira (20) para os ministérios da Saúde, Educação e ao CRM-AC. A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) disse que o governador Gladson Cameli não especificou a quantidade de profissionais necessários para as ações no estado.

Ao G1, o governo informou que a quantidade de profissionais pedida vai depender da situação financeira do estado.

A solicitação foi feita no mesmo dia em que o Acre confirmou a oitava morte por Covid-19. O número deinfectados também subiu para 176, sendo que destes 136 estão em Rio Branco.

O Conselho Regional de Medicina (CRM-AC) informou, nesta terça (18), que ainda não recebeu nenhuma solicitação ou notificação a respeito do pedido.

Reforço

No último dia 16, o Ministério da Saúde já anunciou o reforço de 26 médicos para atendimentos nos postos de saúde e nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis) do Acre.

O reforço para os postos, segundo a Saúde, é visando o atendimento de pessoas com sintomas leves do novo coronavírus. O governo federal destaca que um estudo apontou que 80% dos casos com sintomas leves podem ser atendidos nos postos.

O salário dos profissionais é de mais de R$ 12 mil.

-------- Continua depois da Publicidade--------

Julgamento de acusados no caso da Boate Kiss entra hoje no quinto dia

Depoimentos são de vítima e de testemunha de defesa de um dos réus

DPU recomenda que prefeito de Rio Branco pare de fazer discurso de ódio sobre musical com Papai Noel gay

Tião Bocalom se manifestou contra a iniciativa que foi aprovada pela FGB no último dia 26. Defensoria deu prazo de 10 dias para prefeito responder se vai ou não acatar recomendação.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS