6 dezembro 2021 3:05 am
23.3 C
Rio Branco
6 dezembro 2021 3:05 am

‘Ninguém vai tolher meu direito de ir e vir’, diz Bolsonaro em passeio

R7
-------- Continua depois da Publicidade--------

Em mais um passeio por Brasília, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (10) que foi a uma farmácia para “comprar anticoncepcional” e “um teste de gravidez”. Assim como ontem, quando visitou uma padaria, o presidente escapou de seus compromissos oficiais para estar perto da população.

Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada, residência oficial, por volta das 9h15 da manhã. O comboio não passou pela portaria principal onde ficam os apoiadores e a imprensa.

Junto com o Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, Bolsonaro foi até o HFA (Hospital das Forças Armadas) no bairro do Cruzeiro. Não há informações sobre o motivo da ida ao hospital. Na agenda oficial, não constava o compromisso.

Em seguida, às 10h30, o presidente parou em uma drogaria, onde tirou fotos com apoiadores. “Ninguém vai tolher meu direito de ir e vir”, afirmou. Ao ser indagado sobre o que comprou na farmácia, ele não quis dizer. No local, questionou os atendentes se alguém já tinha sido demitido. A resposta foi negativa.

Ao sair da drogaria, Bolsonaro foi para o Sudoeste, uma das regiões administrativas do Distrito Federal. Depois foi até o apartamento dele, onde mora o filho 04, Jair Renan, que completa 22 anos nesta sexta-feira. O presidente voltou ao Palácio da Alvorada por volta das 11 horas.

Neste sábado, Bolsonaro irá ao Hospital de Campanha de Águas Lindas de Goiás, no entorno do Distrito Federal. A visita deve selar uma reaproximação com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, com quem o presidente está rompido após divergências sobre o combate à covid-19. O ministro da Saúde, Henirque Mandetta, também deve ir à visita.

-------- Continua depois da Publicidade--------

DPU recomenda que prefeito de Rio Branco pare de fazer discurso de ódio sobre musical com Papai Noel gay

Tião Bocalom se manifestou contra a iniciativa que foi aprovada pela FGB no último dia 26. Defensoria deu prazo de 10 dias para prefeito responder se vai ou não acatar recomendação.

Nova reforma trabalhista propõe trabalho aos domingos e proíbe motorista de app na CLT

São propostas ao menos 330 alterações nos dispositivos legais atuais

ÚLTIMAS NOTÍCIAS