Juíza analisa se Hildebrando deve voltar para casa

A situação do ex-deputado federal Hildebrando Pascoal, preso por chefiar o “Esquadrão da Morte” que atuou no Acre na década de 1990, deve ser analisada nos próximos dias pela juíza Luana Campos, da Vara de Execuções Penais de Rio Branco. A informação é do Tribunal de Justiça do Acre (TJ/AC). Os advogados de Hildebrando Pascoal,...

A situação do ex-deputado federal Hildebrando Pascoal, preso por chefiar o “Esquadrão da Morte” que atuou no Acre na década de 1990, deve ser analisada nos próximos dias pela juíza Luana Campos, da Vara de Execuções Penais de Rio Branco. A informação é do Tribunal de Justiça do Acre (TJ/AC).

Os advogados de Hildebrando Pascoal, que voltou a ser preso em setembro último no presídio de segurança máxima Antonio Amaro, na Capital, podem levar o caso do coronel à Organização das Nações Unidas (ONU), semelhante aos advogados do ex-presidente Lula, que discordam da pena e da forma com que o ex-presidente da República fora condenado.

Pascoal apresenta problemas de saúde crônicos, tem dificuldade para andar e precisa ser auxiliado por um acompanhante até para ir ao banheiro, o que no presídio é inviável, segundo informa um documento assinado por Tarso Costa, diretor da URF-02, o Antonio Amaro e enviado à juíza da Vara de Execuções Penais.

Outro problema é que o presídio não tem viaturas suficientes para levar e trazer Hildebrando do médico diariamente, como prevê a recomendação médica. Um dos argumentos da defesa de Hildebrando Pascoal junto à ONU, deve ser a não aplicação da Declaração Universal para os Direitos Humanos, que está completando 71 anos em 2019.

Por João Renato Jácome, do Notícias da Hora

 

Você pode gostar

Mais Notícias
Ver Mais