Rio Branco,

aaa

Doação de órgãos: Ressignificado da vida

Doação de órgãos

Por Agência de Notícias do Acre
- Publicidade-

A doação de órgãos é um grande ato de amor ao próximo. É doar vida e novas perspectivas a pessoas que muitas vezes não tinham esperança no futuro. No Brasil, mais de 30 mil cidadãos esperam por um transplante. A população precisa se conscientizar sobre a importância de ser um doador. Hoje, 27 de setembro, é Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos. A data foi criada para incentivar a doação.

Para ser um doador não é preciso deixar algo por escrito, mas sua família precisa estar ciente da sua decisão, pois é ela quem autoriza a doação no momento certo. Por isso é preciso avisar, em vida, o seu desejo.

De acordo com a coordenadora da Central Estadual de Transplantes, psicóloga Regiane Ferrari, a doação é um gesto de generosidade e um olhar humano ao sofrimento do próximo no qual muitas vezes salvam vidas.

“Quando não salvam vidas pelo menos possibilita a melhora significativa da qualidade de vida desses pacientes que precisam de um rim ou coração, por exemplo. É um renascer, um começar de novo. É a vida dando uma segunda chance. As famílias, quando doam, ressignificam a morte. Podem vislumbrar na ajuda ao próximo a superação da dor pela perda”, esclarece Ferrari.

Desde que o programa de transplantes começou no Acre, em 2006, até hoje, foram realizados 373 transplantes, sendo 229 de córnea, 48 de rim e 96 de fígado. Em breve o Estado contemplará também o transplante de pâncreas.

“Doamos amor e recebemos amor”

Quem autoriza a doação de órgãos e tecidos de um familiar reconhece que é uma forma de dar continuidade a vida, tanto do receptor quanto do doador. Quem recebe o novo órgão tem pela frente novas possibilidades. Como foi o caso do seu Roberto Carlos que recebeu, dia 15 de agosto de 2016, um novo rim de um doador desconhecido do município de Cruzeiro do Sul.

Seu Roberto teve complicações renais por conta da pressão alta. Na época praticante de artes marciais, não sabia que tinha a doença e se viu em meio a um novo mundo da hemodiálise, tratamento que age como um rim artificial ao remover líquido e substâncias tóxicas do sangue.

“O transplante de rim foi tudo de bom. Ser transplantado significa sair de uma prisão que você vive que é a hemodiálise. É uma vida nova. Não tem explicação. É só viver, fazer a dietinha e seguir a vida normalmente. O processo para eu ser transplantado durou um ano e onze meses, pois não aparecia doador, até que aconteceu e eu transplantei”, se alegra.

A história de vida de seu Roberto Carlos não termina aí. Ele, transplantado, é também irmão de doador. O irmão, José Carlos, faleceu em maio de 2016, dois meses antes do transplante de Roberto.

José, irmão de Roberto, queria doar um dos rins ao irmão, porém os dois não eram compatíveis. Com a morte de José, em decorrência de um AVC, a família decidiu doar os dois rins e o fígado, salvando a vida de outras três pessoas.

“Meu irmão passou 13 dias na UTI e foi diagnosticado com morte encefálica. Ele queria doar um rim dele para mim, mas não servia. Então quando ele faleceu doamos os órgãos dele. Meu irmão sempre quis ser doador, aliás, toda a nossa família é doadora”, diz.

“É difícil naquela hora, mas hoje eu ganhei outra irmã. Perdi ele e ganhei três. Tem três pessoas que estão com o fígado dele e os rins. É gratificante. É como se ele continuasse vivo. Tem um pedaço dele dentro de alguém. Doamos amor e recebemos amor. Ganhei até um sobrinho a mais”, se emociona ao continuar.

A história de vida da família do seu Roberto parece filme. Daqueles que emocionam e dão exemplo de grande amor. “Hoje em dia o que falta mais é amor no coração e ensinamento para as pessoas conhecerem a importância da doação. A campanha de doação de órgãos é a coisa mais importante que tem. Quando você doa você deu amor e se você tiver amor você doa”, afirma.

Roberto Carlos hoje é voluntário e ajuda quem faz hemodiálise, e transplantados, a realizar pedido de exames. Ele faz palestras para conscientizar a população sobre o valor de realizar a doação.

“Não sabia se ela queria ser doadora”

Ivaneide Araújo tornou-se familiar de doadora há dois meses, quando uma de suas irmãs faleceu. Mesmo sem saber do real desejo da irmã, em ser doadora ou não, ela e o sobrinho decidiram doar os órgãos, salvando três vidas.

“Acho muito importante que a pessoa avise a família, pois no caso da minha irmã não lembro se ela queria ou não ser doadora. Mas quando vieram perguntar para mim e o filho dela a gente já disse sim. Com a morte dela não foram salvas só três vidas, mas três famílias. Todas as três famílias ficariam felizes e teriam aquela pessoa de volta. Eu não teria mais minha irmã, então eu decidi salvar vidas através dela. Sem saber se ela queria ou não”, afirma.

Para Ivaneide a falta de informação é um dos motivos pelo baixo número de doações. “Pensam que o familiar será enterrado mutilado. Muitas pessoas vieram perguntar para mim se tiraram tudo. Eu disse que seriam retirados apenas os órgãos a serem doados. Então ainda existe muita desinformação”, finaliza.

Quais são os tipos de doadores?

Existem dois tipos de doadores: vivos e falecidos. Os vivos saudáveis, e coniventes com a doação, podem doar um dos rins, parte do fígado ou do pulmão e medula óssea, desde que não prejudique sua própria saúde. Por lei, apenas parentes como avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos, primos, netos e cônjuges podem ser doadores. Pessoas sem vínculo de parentesco só podem doar por meio de autorização judicial.

Já os doadores falecidos podem ser qualquer paciente internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), diagnosticado com morte encefálica, geralmente ocorrida após traumatismo craniano  (TCE) ou Acidente Vascular Cerebral (AVC).

A retirada dos órgãos e tecidos do doador segue todo protocolo de cirurgias modernas. O doador pode ser velado normalmente, de caixão aberto, sem apresentar deformidades.

Como funciona o transplante?

O transplante de órgãos é um procedimento cirúrgico no qual ocorre a reposição de um órgão ou tecido, como coração, pulmão, fígado, pâncreas, intestino, rins, córneas, vasos, pele, ossos e tendões. Um único doador efetivo pode salvar até nove vidas.

Os órgãos e tecidos doados são transplantados em pacientes registrados em lista de espera unificada em uma mesma base de dados no Brasil. Cada modalidade de transplante possui sua própria lista de espera e é a equipe da Central Estadual de Transplantes que gera a lista de receptores compatíveis com o doador. Nos casos em que não há alguém compatível no Estado a doação é ofertada a Central Nacional de Transplantes.

A posição na lista de espera é baseada em critérios técnicos de compatibilidade entre doador e receptor, como sanguínea, antropométrica, gravidade do quadro e tempo de espera em lista do receptor. Alguns tipos de transplantes exigem ainda compatibilidade genética.

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS