Connect with us

polícia

Lado a lado com o ex-inimigo: Ex-PCC, ex-CV e ex-B13 revelam rotinas de facções no Acre

Publicado

em

Samuel Silva de Souza, 35, Clabison Amadeu de Souza Paiva, 31, e Anderson da Silva Andrade, 35, dificilmente apareceriam abraçados meses atrás. Antes de largarem o crime organizado, os três pertenciam e defendiam facções criminosas distintas, que disputam o território do Acre, estado brasileiro que faz divisa com Peru e Bolívia, países produtores de cocaína —o principal negócio do crime organizado brasileiro.

Samuel foi gerente-geral do PCC (Primeiro Comando da Capital) nas ruas de Rio Branco. Clabison integrou a facção CV (Comando Vermelho) e presenciou de perto a expectativa de um massacre na capital acriana, nos moldes dos que ocorreram no Norte e Nordeste do país nos últimos dois anos. Anderson pertenceu ao B13 (Bonde dos 13), facção local que tem forte —e violenta— atuação no Norte do país.

Atualmente, Samuel é cabeleireiro; Clabison, agente de viagens e estudante de direito; e Anderson, auxiliar de serviços gerais. Os três vivem juntos na igreja do pastor Arnaldo Barros, criador do projeto Paz para o Acre, que acolhe ex-integrantes de facções para tentar reintegrá-los à sociedade.

Anuário divulgado na última terça-feira (10) aponta que a única região do país que teve crescente no número de mortes violentas intencionais em 2018 foi a Norte. Os únicos estados em que a taxa de mortes subiu foram Amapá, Pará, Tocantins e Roraima, todos na mesma região. Investigadores locais apontam que a violência tem aumentado, desde meados de 2014, por conflitos entre facções, na disputa pelo território, que é estratégico porque é uma das principais portas para a entrada de drogas no Brasil.

“Se considerarmos a dinâmica do crime organizado e os esforços feitos pelos governos locais, veremos que as mortes da região Norte indicam um quadro ainda muito intenso de instabilidade e de conflitos”, afirma Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Para o presidente do GNCOC (Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas), Alfredo Gaspar de Mendonça, o Norte se tornou rota internacional de tráfico. “Temos o eixo da introdução da droga no país por esses novos corredores da região Norte, que aumentou —e muito— essa guerra de facções, com número significativo de homicídios”, conta.

Mas, para que as facções se fortaleçam, precisam de pessoas dispostas a integrá-las. A reportagem entrevistou três ex-integrantes de três facções criminosas diferentes, que revelam a rotina dos grupos, apontados pelos especialistas como os principais agentes atuantes para a crescente da violência na região. Abaixo, os relatos de Samuel, Clabison e Anderson, em primeira pessoa.

Com informações da UOL.

Propaganda

Veja também

Mais lidas

Portal de notícias do Acre | Diretor e Redator - Lenilda Cavalcante FENAJ 084 | Copyright © 2006-2019 ECOS DA NOTÍCIA - Todos os direitos reservados.