Connect with us

manchete

Setembro Amarelo: ajuda psicológica gratuita está disponível em unidades de saúde

Publicado

em

“Setembro Amarelo” é uma campanha com o objetivo de conscientizar a população e intensificar ações de prevenção sobre o suicídio. O mês de setembro foi o escolhido por conta do Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, lembrado nesta terça-feira, 10. O Governo do Estado, por meio das suas unidades de Saúde, oferece ajuda psicológica de forma gratuita nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Centro de Atenção Psicossocial (CAPS II) e Núcleo de Prevenção ao Suicídio.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados na última segunda-feira, 9, a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida. Em todo o mundo cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio. No Brasil são 12 mil casos.

Entre os jovens de 15 a 29 anos é a segunda causa de morte, atrás somente de acidentes de trânsito. Em todo o mundo o suicídio é a segunda causa de morte entre garotas de 15 a 19 anos e a terceira entre meninos da mesma idade.

Especialistas afirmam que o suicídio é resultado de uma série de fatores, como familiares, psicológicos, culturais, dentre outros. A depressão também é um deles.

Depressão pós-parto

A jornalista Dryelem Alves, de 30 anos, teve depressão pós-parto depois do nascimento da primeira filha, em 2009. Na época não identificou a doença, o que só veio ocorrer anos depois após outra crise.

“Identifiquei que tive a depressão após entrar na faculdade. A rotina puxada de trabalho e estudos desencadeou uma outra crise. Passava o dia todo trabalhando, estudava à noite e quando chegava em casa ficava até três da madrugada lendo apostilas. Comecei a dormir menos, ficar mais cansada e isso desencadeou um estresse, que virou uma crise de ansiedade e que veio buscando coisas do passado que só fui detectar quando fiz terapia na Ufac. Fui atendida pela psicóloga e foi quando identifiquei o que já tinha acontecido no passado e o que me atingiu naquela época. Hoje estou bem, graças a Deus”, explica.

Dryelem ressalta ainda a importância de procurar atendimento. “Tem que procurar um profissional e quem acredita em alguma religião também deve procurar ajuda. Mas é preciso balancear os dois, pois tem uma hora que a nossa fé é abalada. A gente fica sem acreditar em nada. A gente não vive, sobrevive. A gente passa aquele tempo”.

Pessoas que passam por problemas semelhantes ao enfrentado pela jornalista podem procurar ajuda de psicólogos em Unidades de Saúde, como as UPAs ou o Caps Samaúma, localizado na rua Vênus, n° 316, bairro Morada do Sol.

O Núcleo de Prevenção ao Suicídio, localizado no Pronto-Socorro de Rio Branco, também é outra opção. O plantão psicológico atende casos de ideação ou tentativa de suicídio. O atendimento ocorre das 8h às 12h e das 14h às 18h.

O suicídio é o ato intencional de colocar fim à própria vida e pessoas de todas as idades e classes sociais cometem o ato. Segundo a responsável pelo Núcleo de Prevenção ao Suicídio do PS, psicóloga Andréia Vilas Boas, suicídio é uma questão de saúde pública cujo sinais não podem ser ignorados.

Algumas indicações de alerta podem ser evidenciadas. Ao notar alguns destes sinais, familiares e amigos devem oferecer ajuda, ouvir, serem afetuosos e mostrar empatia, além de conseguir ajuda:

1- Mudança de personalidade, irritabilidade, pessimismo ou apatia;
2- Mudanças de hábitos alimentares ou sono;
3- Abuso de álcool ou outras drogas;
4- Desfazendo-se de objetos pessoais;
5- Perda importante recente (morte, divórcio e outros);
6- Tentativa anterior de suicídio ou histórico familiar;
7- Cartas de despedida;
8- Verbalizar desejo de não existir mais ou suicídio;
9- Doença física crônica, limitante ou dolorosa;
10- Transtornos mentais.

Propaganda

Veja também

Mais lidas

Portal de notícias do Acre | Diretor e Redator - Lenilda Cavalcante FENAJ 084 | Copyright © 2006-2019 ECOS DA NOTÍCIA - Todos os direitos reservados.