Connect with us

polícia

Em coletiva, delegado diz ser vítima de ação escusa para derrubá-lo do cargo de secretário de Polícia do Acre

Publicado

em

Em coletiva no final da manhã desta quinta-feira (31), um dia após a mídia nacional e local publicar material sobre suposto envolvimento com oficial da Polícia  Militar preso por acusação de envolvimento com o Comando Vermelho, o secretário de Polícia Civil Rêmulo Diniz, afastado após a mídia divulgar que ele tinha envolvimento com facção criminosa, negou as acusações e afirmou que tudo não passou de uma armação para derrubá-lo do cargo.

Diniz disse que nenhum ato de abuso de autoridade foi praticado por ele e também não houve ingerência.

“Nunca fui chamado, intimado ou mesmo ouvido pelo Ministério Público. O inquérito policial estava em segredo de Justiça e eu só tive acesso ontem. O que aconteceu de fato foi uma ação deliberada com a intenção de tentar, no início, impedir que eu assumisse a secretaria de Polícia Civil e, depois, derrubar do posto, uma vez que há intenções escusas”, afirmou Diniz.

Diniz disse que seu nome não foi citado no inquérito policial que investigou organização criminosa. Segundo ele, somente após a conclusão do inquérito foi que a autoridade policial pediu à Justiça o compartilhamento de provas.

“No dia 17 de dezembro, quando eu já era indicado secretário, foi juntado um pedido de compartilhamento de provas e nesse pedido não foi juntado qualquer prova de ligação minha com membros de facção criminosa ou ligações minhas com o tenente Farias”, disse o secretário.

Na coletiva, Diniz afirmou ainda que o pedido para compartilhamento de provas foi negado pela Justiça. “O juiz disse que causava estranheza aquele pedido, que atrapalhou o andamento do processo e não trouxe qualquer elemento que tivesse ligação com a operação Sicário. Isso demonstra que aquele peticionamento apenas teve como interesse vincular o meu nome a uma investigação de grande cunho”, afirmou.

Operação Sicário

Um dia após o governo do Acre afastar o secretário, os delegados responsáveis pela Operação Sicárioexplicaram como decorreram as investigações, que identificou 23 pessoas envolvidas no crime organizado no estado, entre elas o tenente do Bope, Josemar Farias.

Nesta quinta (31), dois dos quatro delegados responsáveis pela Operação Sicário, explicaram que as ações iniciaram em abril do ano passado. Segundo eles, Diniz não aparece no processo ligado a organização criminosa, mas sim como interlocutor entre umas das interceptações com o tenente do Bope, Josemar Farias.

Durante as investigações, Diniz ainda não era secretário de Polícia Civil, mas respondia pela Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHHP), cargo que ocupou até o final de 2018.

Ligações com tenente do Bope preso

Sobre as ligações com o tenente do Bope, preso na Operação Sicário, Diniz afirmou que eram de “trato profissional”. “O tenente Farias representava a Polícia Militar. Ele era o comandante do serviço reservado do Bope, um batalhão que eu respeito e que tem trabalhos prestados em todo o estado. Nunca tive nenhuma ligação com nenhum faccionado, não atuo nem com informantes”, disse.

O secretário afirmou que, além de pedir o afastamento do cargo, solicitou que as investigações sejam feitas pela Polícia Federal.

“Solicitei ao vice-governador e ao governador o meu afastamento para que tudo fosse apurado. Tenho todo respeito a eles e jamais iria macular a imagem do governo. Solicitei, inclusive, que as investigações que possam ser tomadas pela Polícia Federal, para que se afaste de qualquer vínculo”, alegou Diniz.

Abuso de autoridade

Entre as diversas interceptações, autorizadas pela Justiça, Farias aparece conversando com o delegado e, nesses diálogos, segundo o delegado Sérgio Lopes, teriam sido constatadas algumas infrações penais, mas não detalha o que seria.

O secretário afastado também negou ter praticado qualquer ato de abuso de autoridade. “Nenhum ato de abuso de autoridade foi praticado porque não houve ingerência, não houve contato com presos, não tive qualquer prevaricação, porque todos os inquéritos foram instaurados”, disse.

Diniz afirmou ainda que, se houve qualquer indício de irregularidade, o MP teria feito a denúncias.

“Os áudios são claros e por si só já demonstram isso. Se houvesse qualquer indício dessa prática o Ministério Público teria agido de imediato. O próprio Judiciário teria de imediato determinado a instalação de procedimento investigatório e criminal e a própria autoridade policial que pediu teria reforçado esse pedido”, afirmou Diniz.

Acionar a Justiça

Depois de ter o nome divulgado em vários sites afirmando que ele teria ligação com facções criminosas, Diniz afirmou que vai acionar a Justiça para pedir direito de resposta.

“Farei as tratativas judiciais, pedindo espaço de resposta nos meios de comunicação nos sites, blogs e demais jornais que tiveram meu nome publicado. Lógico, tomarei as cautelas de aguardar todas as conclusões. A minha família é composta de polícia e isso abalou todos, mas a verdade prevalecerá”, concluiu Diniz emocionado.

Corregedoria da Polícia Civil

O corregedor da Polícia Civil, Ricardo Casas, afirmou que ainda não há nenhum processo administrativo que investigue o secretário afastado Rêmulo Diniz. Segundo ele, somente após a Justiça informar que acatou o compartilhamento das provas é que será aberto um processo.

“Até o presente momento não foi instaurado nenhum procedimento, porque as investigações que deram início a essa situação, corriam em segredo de Justiça. O delegado que preside as investigações representou pelo compartilhamento das informações para que fossem encaminhadas à Corregedoria, mas até o momento não foi. Enquanto eles não compartilharem de forma oficial essas provas, a gente não pode dar início às investigações”, afirmou Casas.

Integra da coletiva ÁUDIO

Continue lendo

polícia

Jovem é preso com pacotes de maconha e cocaína em táxi em Sena Madureira

Publicado

em

Por Alto Acre

Foi encontrado na bolsa que dele quatro tabletes de maconha e três pacotes de cocaína.

A Polícia Militar, por meio do 8° BPM, CPO II apreendeu uma considerável quantidade de entorpecente nas proximidades do Cristo Libertador, em Sena Madureira.

Na ocasião, os militares em patrulhamento de rotina abordaram Jorge Luiz Bismark dos Santos, 23 anos, que vinha no táxi em atitude que  suspeita.

Foi encontrado na bolsa que dele quatro tabletes de maconha e três pacotes de cocaína, pesando, ao todo, 1,778 kg.

Por isso, o autor e o ilícito foram entreguem à delegacia de Polícia Civil de Sena Madureira para os procedimentos cabíveis.

Continue lendo

polícia

Jovem sai para caçar com amigos e é achado morto quatro dias depois em rio no interior do AC

Publicado

em

Por G1 Acre

Suspeita é que ele tenha morrido com tiro acidental de armadilha que montou. Corpo foi achado flutuando em rio.

Jardesson da Silva Maia saiu de casa no último sábado (11) para caçar com amigos em uma comunidade do município de Rodrigues Alves, no interior do estado.

No último domingo (12), Maia deixou um acampamento onde estava com o grupo para resgatar uma espingarda que tinha instalado como armadilha para animais na floresta e não retornou.

No dia seguinte ao desaparecimento do jovem, os amigos ainda encontraram a arma, a roupa dele e alguns utensílios, mas não conseguiram localizá-lo.

A família acionou o Corpo Bombeiros, que se prepara para ir ao local com apoio de homens da PM, por se tratar de uma região no limite da fronteira, onde há a ação de traficantes brasileiros e peruanos.

Orientados pelo Corpo de Bombeiros, familiares voltaram à comunidade para fazer buscas superficiais no igarapé Branco, afluente do rio Paraná do Mouras, onde ele teria desaparecido e nesta quinta-feira (16) e conseguiram encontrar o corpo flutuando.

De acordo com o comando do Corpo de Bombeiros, a suspeita é que Maia tenha sido vítima de um disparo acidental da sua própria espingarda. Com a enchente do igarapé, o dispositivo que acionava a armadilha foi coberto pela água e ele teria mergulhado para tentar desativar.

Continue lendo

polícia

Caçamba carregada de madeira atropela e mata mulher de 19 anos na BR 364

Publicado

em

Kennedy Leandro, da Redação Ecos da Notícia

A BR 364 foi palco de três mortes por acidente de trânsito somente na noite desta sexta-feira (19), em dois acidentes.

Na altura do km 01 da BR 364, a jovem Larissa da Silva Trindade, de 19 anos foi atropelada e morta por uma caçamba que transportava pranchas de madeira, na rotatória do Posto Correntão.

De acordo com informações, a jovem trafegava em uma bicicleta, e na rotatória entre a BR 364 e a Rodovia AC 40, a caçamba bateu na ciclista e passou por cima.

Gravemente ferida, a vítima foi socorrida por uma equipe de suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel – SAMU, mas a caminho do Pronto Socorro, não resistiu a gravidade dos ferimentos e morreu dentro da ambulância. O corpo da jovem foi levado para a sede do Instituto Médico Legal – IML.

Motorista tenta fugir, mas é preso pela polícia

De acordo com informações, o motorista da caçamba identificado pelo nome de Gilson da Silva Barbosa não teria parado a caçamba após o acidente e tentou se evadir, sendo perseguido pela Polícia de trânsito e interceptado na Via Verde, em frente a Unidade de Pronto Atendimento – UPA do 2° Distrito.

De acordo com a polícia, o motorista estaria com a carteira Nacional de Habilitação – CNH vencida desde o ano de 2015.

O motorista foi preso e encaminhado a Delegacia de Flagrantes – DEFLA.

 

Continue lendo

Veja também

Mais lidas

Portal de notícias do Acre | Diretor e Redator - Lenilda Cavalcante FENAJ 084 | Copyright © 2006-2018 ECOS DA NOTÍCIA - Todos os direitos reservados.