Rio Branco,

São fortes os indícios de que tenente do BOPE no Acre recebia ordem de chefe do Comando Vermelho, diz relatório

cortando a própria carne

Por Kennedy Leandro, da Redação Ecos da Notícia

A prisão do tenente Josemar Farias, do Batalhão de Operações Especiais – BOPE, ocorrida na manhã desta quinta-feira (27), durante a Operação Sicário, da Polícia Civil do Acre, causou certo mal-estar entre os militares e agentes de segurança em geral, e até da sociedade, pois em nenhum momento as autoridades envolvidas na Operação falaram abertamente o que teria motivado a prisão do oficial, que até então seria pessoa de índole inquestionável  e por muitas vezes agraciado com medalhas e menções de honras pelos bons serviços prestados.

Publicidade

O comando da Polícia Militar se restringiu a divulgar nota onde afirma que o policial não era alvo da operação, porém, a polícia interceptou ligações telefônicas entre o tenente e membros de facções. Farias está preso no Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA).

Que apoia as investigações e a Justiça, mas ressalta também que apoia “o respeito ao contraditório e a ampla defesa, base do estado democrático de direito”.

A nota da instituição segue dizendo, que: “Em virtude do atual momento das investigações, não será emitido nenhum juízo de valor em relação à suposta conduta imputada contra o militar, mas aguarda que a verdade seja esclarecida com a maior brevidade”, conclui a Polícia Militar na nota.

Tais argumentos vagos permitiu os mais variados juízos de valores, a reportagem do Ecos da Notícia apurou que um despacho assinado por três juízes revela os motivos que levaram a prisão do militar.

São 32 páginas do despacho argumentativo assinado pelos juízes, Maria Rosinete dos Reis Silva, Raimundo Nonato da Costa Maia, e Guilherme Aparecido do Nascimento Fraga, que apontam vários indícios extraídos de interceptações telefônicas de suspeitos de integrarem a facção do Comando Vermelho, em que aparecem diálogos do tenente Farias, com chefes da fracção e em alguns diálogos recebendo ordens dos faccionados e outros justificando ações que fez como agente público e outras que deixou de fazer como suposto colaborador da facção.

Tais conversas com conteúdo revelador foram possíveis, através de uma investigação comandada pela polícia e o Gaeco em que durante intercepção telefônica autorizada pela Justiça, que a princípio objetivava monitorar as ações da facção, findaram por revelar a suposta participação do tenente Farias como membro do Comando Vermelho, e inclusive em contatos presenciais na casa desses membros, ou na própria residência do militar.

Segundo a investigação, Farias cumpria ordens repassadas por Jiquitaia, que é um dos chefes do CV, com a intenção de resguardar a segurança das localidades consideradas como “território do CV”, protegendo os bairros tanto de ataques de facções rivais quanto de abordagens de outros policiais na região. A suposta influência do militar era tão grande que seu nome foi utilizado para evitar abordagens contundentes em pontos de interesse do CV.

Por outros militares que trabalharam com Farias, estão revoltados porque teoricamente foram usados na defesa de criminosos, sem saber, pois pela hierarquia são obrigados a cumprir ordens.

Um desses supostos serviços aparece durante um diálogo entre o faccionado conhecido por Jiquitaia, em que o tenente Farias, faz o alerta de uma possível invasão de uma facção rival e Jiquitaia ordena que ele envie várias viaturas para o bairro, alegando que somente uma não seria suficiente para segurar, e ainda ordena que o militar feche a BR, o que prontamente Farias respondeu: “vou mandar duas barcas quando tu me avisar” se referindo as viaturas caminhonetes.

Ao que tudo indica a investigação conseguiu isolar a participação do tenente Farias na facção e a influência que ele possuía sobre os demais militares de patente inferior e que não tinham conhecimento que tais ações ordenadas pelo comandante imediato, teria relação direta com chefes da facção e participação efetiva do superior, no caso o tenente Farias.

Confira trecho extraído do despacho que autorizou a Operação Sicário

Ainda de acordo com o apurado pelas autoridades, em inúmeros diálogos restou demonstrado que o Tenente Farias se utilizava do poder que a farda lhe proporcionava para usar veículos e valores pertencentes ao “erário” com a finalidade de atender aos interesses do Comando Vermelho, fosse mandando viaturas para evitar ataques do Bonde dos 13 ou para auxiliar em situações cuja busca de informações interessava às atividades do Comando Vermelho. “Até valores para abastecer veículos usados por outros membros do CV teriam sido arrecadados das quantias disponibilizadas pelo BOPE para abastecer as viaturas policiais”, aponta trecho da investigação.

Os indícios da gravidade das supostas condutas ilícitas adotadas por Farias também revelaram a função de arrecadar armas de grosso calibre, munições e altas quantidades de drogas apreendidas com a finalidade de desviar boa parte delas para que fossem utilizadas pelo CV, “o que deixou nítido que Tenente Farias integraria o aludido grupo”, diz parte do inquérito da polícia civil.

É importante destacar que o representado aparentemente teria a ciência de que tal conduta seria ilícita, visto que em algumas situações foi possível notar a sua frustração em não conseguir arrecadar as armas ou qualquer outro bem que pudesse interessar ao CV por ter chegado atrasado ou por estar acompanhado de outros policiais, o que dificultaria que agisse na clandestinidade, de modo que o representado afirmava que “não teve como tirar”. De outra banda, situações exitosas do grupo também foram captadas”, informa trecho do documento incriminatório.

A investigação aponta ainda sobre a proximidade de Farias e o membro do CV identificado como Jiquitaia. Quando as pautas que tinham que solucionar não podia ser resolvida por telefone, os investigados costumeiramente marcavam encontros presenciais nas residências um do outro, em locais públicos e até mesmo na sede do BOPE. “A familiaridade entre os dois parece ser tamanha ao ponto de Jiquitaia ter mencionado em um diálogo que o tenente Farias sabia que o primeiro só estaria solto por causa da atuação do policial militar”.

 

Importante: O site Ecos da Notícia, deixa aberto espaço aos advogados ou o próprio tenente Josemar Farias se pronunciar quando considerar oportuno.


Publicidade




ÚLTIMAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Publicidade