As surpresas do ensino de Xangai, um dos mais desconhecidos (e bem-sucedidos) do mundo

Jornalista americana decidiu investigar o sistema educacional chinês, que passou a chamar a atenção no mundo todo por causa dos bons resultados de Xangai no Pisa (Foto: Arquivo pessoal/Lorena Chu)

Lenora Chu, jornalista americana filha de pais chineses, investigou sistema de educação chinês e relata em livro experiência de mandar seu filho a escola em Xangai, cidade invejada por seus resultados no exame internacional Pisa.

Jornalista americana decidiu investigar o sistema educacional chinês, que passou a chamar a atenção no mundo todo por causa dos bons resultados de Xangai no Pisa (Foto: Arquivo pessoal/Lorena Chu)

Em 2010, a jornalista americana Lenora Chu foi viver em Xangai, a maior cidade da China, com seu marido e seu filho pequeno. No mesmo ano, Xangai ocupou a primeira posição no exame de educação internacional Pisa, que mede o desempenho de alunos de 15 anos em matemática, leitura e ciências. Os resultados surpreenderam os especialistas. Era a primeira vez que a China participava da avaliação.

Para efeitos comprativos, na avaliação mais recente do Pisa, em 2015, o Brasil ficou na 63ª colocação em ciências, na 59ª em leitura e na 65ª em matemática, entre 70 países.

Nascida nos Estados Unidos de pais chineses, Lenora Chu e seu marido tomaram, então, uma decisão pouco comum: matricular o filho de três anos em um jardim de infância público chinês, o que lhes deu uma oportunidade única de observar um dos sistemas educacionais mais isolados do mundo – e que tem despertado um interesse crescente por causa dos bons resultados.

“É uma escola de elite em uma área abastada de Xangai, mas ao mesmo tempo é para onde a China quer que sua educação aponte. Por isso, acabou sendo o lugar perfeito para observar a direção que o país pretende tomar”, disse Chu à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC, por telefone.

A partir dessa experiência e de uma pesquisa durante os anos seguintes, Chu escreveu o livro Little soldiers: An American boy, a Chinese school and the global race to achieve (“Pequenos soldados: Um garoto americano, uma escola chinesa e a corrida global em busca do sucesso”, em tradução livre).

Nele, Chu conta sobre os conflitos que teve com professores e administradores da escola, quando começou a perceber coisas de que não gostava – por exemplo, quando um professor obrigou o garoto a comer ovos, que ele odiava.

Você pode gostar

Mais Notícias
Ver Mais