Rio Branco,

aaa

Batalha judicial por herança de R$ 3 milhões: família nega envolvimento em morte de flanelinha

da redação ecos da notícia
- Publicidade-

Foto/Selmo Melo- Jornal A Tribuna

Após ser acusada de envolvimento na morte de flanelinha Rosiel do Nascimento da Silva, de 35 anos, devido à uma briga por herança, a família investigada deve registrar um boletim contra o advogado que representava Silva no processo. A família afirma que tomou um susto com a acusação. Silva foi morto com um tiro nas costas na noite de terça-feira (3), no Parque da Maternidade, no Centro de Rio Branco.

O advogado Maurício Hohengerger, que representa a família investigada, disse deve ser registrado um boletim de ocorrência contra o advogado Romano Gouveia, que representava o flanelinha na briga pela herança do pai dele. Hohengerger falou ainda que quer que o colega de profissão comprove as acusações feitas contra a família.

A família destaca ainda que além do período em que cuidou de Silva não possui nenhuma outra relação e que ele não era considerado membro da família. A ajuda dada à vítima era feita de forma humanitária devido aos problemas que ele enfrentava.

Foto/Ecos da Notícia

Já o advogado Romano Gouveia afirma que falou sobre o caso da herança à polícia para que fosse investigado. Ele disse que achou estranho Silva ter morrido 20 dias antes da audiência sobre a herança, que estava marcada para o dia 24 de julho. Gouveia nega que a vítima tenha envolvimento com facções e alega que ele foi criado como filho e abandonado pela família.

Silva foi assassinado na noite de terça-feira (3) com um tiro nas costas. A vítima trabalhava como flanelinha no Parque da Maternidade, próximo à Concha Acústica, região central de Rio Branco. Segundo a polícia, Silva brigava na Justiça por uma herança e essa é uma das linhas de investigação.

“A família ficou surpresa com a acusação, pois, embora tenha uma ação em andamento, não era com a morte dele que essa ação iria terminar. Então, isso não seria motivo para fazer alguma coisa contra ele [Silva]. Além disso, meus clientes não são pessoas dessa natureza”, afirma o representante da família.

Silva, conforme Hohenberger, trabalhava na fazenda da família quando era criança. O flanelinha ficou doente e não possuía registro de nascimento, por isso o pai biológico pediu ao chefe dele que cuidasse do menino até que ficasse bom.

O menino ficou sob a guarda da família pelo período de ao menos cinco anos. Após isso, segundo o advogado, foi devolvido aos pais biológicos e a devolução consta na ação judicial. A família destacou ainda que o processo não é de herança, mas de reconhecimento de paternidade socioafetiva. Caso isso acontecesse haveria uma nova partilha da herança. Porém, afirma que Silva não possui direitos nas propriedades.

Após isso, o patriarca faleceu e a herança foi dividade entre dois irmãos, pois Silva não chegou a ser adotado pela família. Na quarta (4), o delegado Sérgio Lopes falou, na Divisão de Investigação Criminal (DIC), que Silva era registrado apenas com o nome da mãe e entrou na Justiça para ser reconhecido e ter direito a herança.

“Quando houve o ingresso da ação, ele já havia sido devolvido. Não tínhamos como perder essa ação. Infelizmente, esse advogado foi leviano e jogou a responsabilidade de um assassinato para cima da família em que a mãe já tem mais de 80 anos, além dos filhos”, lamenta Hohenberger.

Apesar da ação judicial, Hohenberger diz que a família tentava ajudar Silva sempre que possível, mas de forma humanitária e não como membro da família. Ele relata que a vítima tinha problemas com uso de drogas e já tinha cometido pequenos furtos. Gouveia afirma, no entanto, que Silva foi criado como filho e depois abandonado pela família.

“Deixei claro até para o delegado é que na realidade ele deve investigar por esse ângulo (da herança). Pela forma como foi morto não houve briga antes. O Rosiel não fazia parte de facção. Não falei que foram eles, não citei nomes, mas disse que pode sim ter relação com isso [herança]”, complementa.

Outra linha de investigação da polícia é que a morte do flanelinha tenha envolvimento com facções criminosas. No local do crime, segundo a polícia, foi encontrada uma cápsula de pistola 9 milímetros, de uso restrito da polícia. Por isso, a família afirma ter medo de retaliações após a acusação.

“Esse advogado que representava Silva na ação vai ter que responder pelo risco ao qual ele expôs a família. Ele [Silva] já foi preso várias vezes, tentou esfaquear o filho do patriarca da família. Então, é uma situação muito complicada e a família está preocupada e assustada”, afirma.

A herança consiste em dois prédios que ficam no Centro de Rio Branco. Gouveia disse que a herança consistia em ao menos R$ 3 milhões. Os três filhos de Silva, dois deles menores, já ingressaram na ação judicial para ter direito à herança e o processo continua em andamento.

“Os herdeiros já vieram ao escritório para ingressar no processo. O Ministério Público também deve entrar na ação, devido aos filhos menores de idade”, finaliza. As informações são de Quésia Melo, do G1/Acre.

- Publicidade-

ÚLTIMAS NOTÍCIAS