Connect with us

política

Lava Jato: MPF pede arquivamento de inquérito relacionado a Vaccari Neto sobre doação a campanha eleitoral no Acre

Publicado

em

Ex-tesoureiro do PT era investigado por um o pagamento de R$ 300 mil ao governador do Acre, Tião Viana (PT), que já teve inquérito arquivado por falta de provas.

O Ministério Público Federal (MPF) pediu o arquivamento de um inquérito da Operação Lava Jato relacionado ao ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto e que investigava o pagamento de R$ 300 mil ao governador do Acre, Tião Viana (PT).

O inquérito que investigou Tião Viana chegou a correr no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas, em 2016, foi arquivado a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) por falta de provas.

Porém, a parte da investigação relacionada a Vaccari Netto – preso e condenado na Lava Jato – e também a José de Felippe Junior foi encaminhada à Justiça Federal do Paraná, para que fosse aprofundada, pois o parecer da Polícia Federal (PF) era de que o detalhamento era necessário.

Na terça-feira (6), o MPF pediu o arquivamento do inquérito. De acordo com os procuradores, “não há justa causa para o prosseguimento das investigações”.

Conforme o MPF, não foram encontradas provas de que o valor doado à campanha do petista tenha relação com crimes praticados envolvendo a Petrobras ou que a doação fosse irregular.

Além disso, os procuradores apontaram que não havia registro de operações da empresa Iesa Óleo e Gás, fornecedora da Petrobras e investigada na Lava Jato, no Acre, “o que distancia a possbilidade da prática de atos de ofício diretos de Tião Viana como contrapartida à doação eleitoral”.

O presidente da Iesa, Valdir Lima Cordeiro, disse em depoimento que em 2010 a empresa doou R$ 2 milhões ao PT, “pois era o partido que mais se alinhava com os objetivos da empresa”.

Segundo o depoimento, ele foi procurado por algum representante do diretório do partido em São Paulo. Cordeiro não soube dizer se o representante era Vaccari Neto ou Felippe Junior.

Por conta disso, a PGR remeteu a investigação para a força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, após o arquivamento do inquérito que investigava Viana.

G1 tenta contato com a defesa de Vaccari Netto.

Qual era a suspeita

Tião Vianna era suspeito de ter recebido R$ 300 mil na campanha ao Governo do Acre, em 2010, da empresa Iesa Óleo e Gás.

O ex-diretor da Petrobras afirmou que repassou R$ 300 mil à campanha eleitoral dele. Na agenda do ex-diretor, apreendida pela PF, consta a inscrição “0,3 Tvian” que, segundo Paulo Roberto, era a referência ao pagamento à Tião Viana.

Na época, Tião Vianna afirmou que a doação foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Acre e não era ilegal.

Continue lendo

política

Gladson Cameli e Tião Viana apresentam relatório final da transição governamental

Publicado

em

Silvania Pinheiro, da Assessoria de Imprensa

O senador e governador eleito, Gladson Cameli (Progressistas), e o governador atual, Tião Viana (PT), apresentaram nesta terça-feira (18) o relatório elaborado pelas equipes responsáveis pela transição do governo do estado.

As duas equipes (do atual e do futuro governo) trabalharam durante 39 dias, na elaboração do relatório. O documento apresenta dados sobre os diversos setores do governo, detalhando a realidade e informando os principais desafios para os próximos anos.

“Quero agradecer ao governador Tião Viana e a sua equipe por essa transição democrática. Desde o primeiro contato que fiz, o governador se mostrou um democrata. Estamos encerrando esse processo de transição e, em poucos dias, estaremos assumindo o Governo do Estado, conscientes dos desafios, mas certos que vamos nos dedicar e trabalhar muito pelo desenvolvimento do nosso Acre”, disse o governador eleito Gladson Cameli.

Ele fez questão de ressaltar que a partir do dia 1° de janeiro, será um “momento novo, de unir forças, olhar pra frente e trabalhar pelo Acre”.

O governador Tião Viana, desejou sorte a Gladson Cameli e sua equipe, afirmando que o próximo governo terá muitos desafios, frutos da crise nacional. “Esse será um momento complicado para se governar o estado, devido à crise nacional. Desejo sorte ao governador Gladson e sua equipe. O êxito desse governo, será o êxito da nossa população e do nosso Acre, onde estarei trabalhando”, afirmou.

Entre outras coisas, o relatório elaborado pela equipe do futuro governo, revela o baixo desenvolvimento econômico do estado, uma vez que o PIB apresentou um pequeno índice de crescimento, com o aumento das despesas com pessoal e com a Previdência. O documento também evidência o aumento da violência, constatado pelos altos índices da área, e agravado pela escassez de investimentos para o fortalecimento das forças polícias.

De acordo com o relatório, os problemas na Saúde Pública, são frutos, principalmente, da falta de eficiência da gestão, gerando um aumento expressivo da demanda por cirurgias, e a demora em dar respostas em procedimentos básicos como consultas e exames, o déficit de leitos e o desabastecimento de medicamentos contribuem para essa situação.

Continue lendo

política

Governador eleito não tem previsão para chamar aprovados em concurso público e pede paciência

Publicado

em

Lilian Camargo, da Redação Ecos da Notícia

 

Em entrevista coletiva cedida na manhã desta segunda-feira (17), para falar sobre o plano de reforma administrativa entregue para analise na Assembléia Legislativa, o governador eleito, Gladson Cameli, quando interrogado sobre a convocação dos aprovados nos concursos da Polícia Civil e Militar, respondeu que precisa de prazo e paciência.

Apesar de considerar uma prioridade os campos da saúde e da segurança pública, Gladson explicou que precisa cortar gastos para gerar recursos que o permitam fazer essa convocação.

“Imagina que eu mantenha toda a estrutura que está ai na situação como está, daqui a dois anos o estado fica ingovernável. Janeiro já tem o défict de 40 milhões que nós vamos ter que desembolsar. Peço paciência, porque eu não consigo resolver tudo em um ano, preciso de prazo para reestruturar toda a máquina. Esses cortes que estamos fazendo que estão na reforma já nos dará uma redução dos custos, mas, não consigo fazer tudo em um ano, peço mais uma vez paciência”, disse Cameli.

No total, juntando as duas instituições são 500 homens e mulheres a serem convocados e que dependem da convocação para início da academia de polícia que vai prepará-los para trabalhar na segurança pública do estado. Os concursos foram realizados em 2017 e o resultado final saiu em Agosto desse ano. A previsão era que o então governador Tião Viana convocasse até novembro deste ano, mas, o prazo já se excedeu e a responabilidade foi repassada para a próxima gestão.

Continue lendo

política

Gladson reduz estrutura do estado a 14 secretarias, extingue cerca de 1.300 cargos e economizará quase R$ 90 milhões

Publicado

em

Silvania Pinheiro, da Assessoria de Imprensa

O senador e governador eleito, Gladson Cameli (Progressistas), disse nesta segunda-feira (17) que a reforma administrativa encaminhada à Casa Civil para ser executada em seu governo, a partir de janeiro de 2019, reduzirá a estrutura governamental a 14 Secretarias de Estado, extinguirá mil e trezentos cargos comissionados e terá somente 10 assessorias especiais, com a previsão de economizar cerca de R$ 90 milhões por ano.

Para chegar a esses números, a equipe técnica do governador eleito teve como parâmetro as folhas de pagamento dos últimos quatro meses de 2018. O objetivo da reforma, segundo Cameli, é retomar o equilíbrio fiscal e financeiro do estado, apresentando um ajuste em todos os setores. Segundo ele, as medidas são essenciais para que o estado resgate o controle econômico e assim possa trabalhar em mecanismos que garantam investimentos futuros para as áreas mais carentes do estado.

O governador eleito afirmou, ainda, que não haverá extinção de órgãos da administração indireta (Autarquias, fundações e empresas públicas) em virtude dos seus passivos trabalhistas/tributários, havendo apenas a fusão de suas atividades em algumas áreas. O mesmo modelo foi adotado para a administração direta (Secretarias de Estado).

Gladson cita como exemplo as atividades o Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), que serão incorporadas ao IMAC, passando a se chamar Instituto de Meio Ambiente e Análises Climáticas do Acre. No caso das Secretarias de Estado, as ações da antiga Secretaria de Extensão Agro-florestal e Produção Familiar (Seaprof) serão exercidas pela Secretaria de Estado de Produção e Agronegócio (SEPA).

Esclarecendo as mudanças que ocorrerão durante sua gestão, Cameli enfatizou que a reforma apresentará também uma modificação de conceitos econômicos, administrativos e sociais. No âmbito econômico, sua proposta visa a adoção de um novo modelo voltado ao agronegócio, reduzindo os entraves ambientais implementados pela falida política da “Florestania”.

O objetivo será oferecer serviços públicos essenciais ao cidadão, atualmente precários em quase todo o estado. “Há uma necessidade de esforço conjunto de toda sociedade acreana neste momento de crise e insuficiência de recursos, pois precisaremos fazer mais com menos”, disse o governador eleito.

Confira as Secretarias de Estado do Governo Gladson Cameli:

 

Secretaria de Estado da Casa Civil;

Secretaria de Estado de Planejamento – SEPLAN;

Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ;

Secretaria de Estado da Saúde – SESACRE;

Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esportes – SEE;

Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública – SEJUSP;

Secretaria de Estado de Empreendedorismo e Turismo – SEET;

Secretaria de Estado de Gestão Administrativa – SGA;

Secretaria de Estado de Produção e Agronegócio – SEPA;

Secretaria de Estado de Meio Ambiente – SEMA;

Secretaria de Estado de Infraestrutura e do Desenvolvimento Urbano – SEINFRA;

Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia – SEICT;

Secretaria de Estado de Polícia Civil – SEPC;

Secretaria de Estado de Comunicação – SECOM.

 

Área social –  Finalizando, o governador eleito esclareceu também que as atividades exercidas pela antiga Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (SEDS) passarão a serem executadas pelo Instituto de Assistência e Inclusão Social (IAS), sob a coordenação da futura primeira-dama do Estado.

Continue lendo

Veja também

Mais lidas

Portal de notícias do Acre | Diretor e Redator - Lenilda Cavalcante FENAJ 084 | Copyright © 2006-2018 ECOS DA NOTÍCIA - Todos os direitos reservados.