Siga-nos

Aguarde processando...

X
Loading...

Moradores fecham rodovia AC-405 em Mâncio Lima por más condições da estrada

G1

Interdição começou por volta das 6h sem previsão de terminar. Deracre disse que está em negociação com os manifestantes.

Moradores da Comunidade Guarani, em Mâncio Lima, interior do Acre, interditaram a rodovia AC-405 que liga a cidade a Cruzeiro do Sul. Segundo os moradores, a manifestação é devido às condições em um trecho de 100 metros da estrada, que estaria tomado por buracos. A interdição começou às 6h e segue sem previsão de acabar.

Ao G1, o chefe do Departamento de Estradas e Rodagens do Acre (Deracre), Josinaldo Batista, disse que o órgão está em negociação com os moradores para que a rodovia seja liberada. “Não fomos procurados antes dessa manifestação, mas já estamos negociando para que a rodovia seja liberada”, garantiu.

Batista disse ainda que solucionar o problema é inviável no momento. “Não temos condições de solucionar, mas vamos fazer o possível para amenizar o problema para não trazer riscos à população”, disse.

O funcionário público Marcos Ribeiro falou que a situação da rodovia está precária e que a população cansou de procurar as autoridades responsáveis. “Já falamos com o prefeito e com o Deracre e ninguém faz nada e isso aqui está horrível. É um absurdo que uma rodovia que liga duas cidades esteja assim”, reclama.

Ribeiro afirmou que o trecho de 100 metros fica próximo da casa dele e que ele já presenciou muitos acidentes. “Já morreu gente nesse trecho, já ficou gente paralítica e ocorrem acidentes pequenos quase que todo dia, aí não sei o que precisa acontecer para fazer alguma coisa”, desabafa.

O morador disse que a situação tende a piorar nesse início de inverno quando as chuvas se acumulam nos buracos, impossibilitando a visibilidade das pessoas. “Tem buraco fundo e quando chove não dá de ver, então, as pessoas caem, isso aí é uma armadilha para a pessoas”, finaliza.

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.