Siga-nos

Aguarde processando...

X
Loading...

Integrante de facção criminosa acusado de filmar e esquartejar jovens vai a Júri Popular em Rio Branco

G1

Joalyson Nascimento da Silva, de 26 anos, acusado de filmar e esquartejar dois jovens em dezembro do ano passado.

O julgamento de Joalyson Nascimento da Silva, de 26 anos, acusado de filmar e esquartejar dois jovens em dezembro do ano passado e fazer parte de uma organização criminosa, ocorre nesta quinta-feira (7), na 1ª Vara do Tribunal do Júri, em Rio Branco.

G1 não conseguiu falar com nenhum familiar das vítimas e nem com a defesa do acusado até a publicação desta reportagem.

O Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) informou que Silva está sendo julgado por ajudar outros integrantes de uma facção a executar as vítimas que foram esquartejadas e os corpos escondidos e parte deles queimados, de acordo com o TJ.

Ainda segundo o TJ, há indícios de autoria de Silva nos crimes, já que ele teria confessado em depoimento sua participação. Ele está preso preventivamente desde março desse ano e deve permanecer preso. No julgamento, vai ser analisado se o acusado foi forçado a filmar as mortes entre outras qualificadoras.

Julgamento ocorre na 1ª Vara do Tribunal do Júri em Rio Branco (Foto: Marcelo Pereira/Rede Amazônica Acre)

Julgamento ocorre na 1ª Vara do Tribunal do Júri em Rio Branco (Foto: Marcelo Pereira/Rede Amazônica Acre)

Entenda o caso

A Polícia Militar encontrou os corpos de Richard Rodrigues, de 16 anos, e Lucas Dennedy Freire de Souza, de 20, decapitados no dia 7 de dezembro de 2016. Os corpos foram achados no bairro Adalberto Aragão e estavam um corpo em cima do outro.

A polícia imformou na época do crime que as vítimas haviam sido mortas por integrantes de facções criminosas, que chegaram a fazer um vídeo dos crimes e divulgar em redes sociais. Rodrigues e Souza foram encontrados após a prisão de Joalyson Nascimento da Silva.

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.