Siga-nos

Aguarde processando...

X
Loading...

Político que usa o nome de Deus para justificar os seus erros é mentiroso

ac24horas

Tem um sábio da Floresta que dizia: “Falar em Deus é muito fácil, quero ver cumprir os seus mandamentos”. Esse dias vi um gestor de uma cidade do interior do Acre nas redes sociais justificando as suas falhas de administrador como perseguição da imprensa. Só faltou dizer que era o próprio Jesus Cristo perseguido pelos fariseus. Ele dava a entender que por ser um protegido de Deus está isento de toda a culpa. O cidadão respondia as críticas dos seus adversários políticos com citações bíblicas. Eu posso garantir que não é assim que as coisas se resolvem. E se continuar com essa ladainha religiosa vai gerar sofrimento para milhares de pessoas. Então eu pergunto: É isso que Deus quer? Fanatismo para justificar as suas incapacidades? Causar sofrimento aos semelhantes? Evocar o Nome Divino em vão numa coisa mundana como a política? Afinal o povo desse município elegeu um gestor ou um pastor? Deus deu talentos a todos os seres viventes e cada um que desenvolva os seus. Não adianta enterrar os talentos como conta uma parábola do Evangelho. Tem que colocar à luz e fazer multiplicar para ajudar as outras pessoas. Se existem problemas é para serem resolvidos e não jogados pra debaixo do tapete para ficarem escondidos. Isso é ignorância. Esse mesmo Mestre da Floresta, Padrinho Sebastião Mota, que citei inicialmente, também afirmava: “Deus é para todos, não se pode esconder”. Então quando o gestor contra-ataca os seus críticos e adversários também está lidando com seres protegidos por Deus. Ou será que Deus iluminou só esse político pretensioso? Os outros todos são filhos de chocadeira e não do Pai Criador? Vamos parar com essa bobagem. Chega de mentiras. Reúna seu secretariado e veja quais são os problemas cruciais do município e, aí sim, peça a Deus com muita humildade para te iluminar com a sabedoria para agir conforme a vontade e a necessidade do povo que você representa.

Insanidade
Cansei de ver na ALEAC deputados estaduais evocando o Nome de Deus nos seus discursos vazios de propostas. Se a gente for verificar de perto a maioria pouco produz. Não representam nem a si mesmos, quanto mais aos eleitores que os elegeram. Distribuem “esmolas” para um e para outro em tempos de campanha. E quando a “coisa aperta” se justificam através da religiosidade. Uma insanidade.

Hipocrisia
Também na Câmara Federal temos os exemplos de deputados federais covardes que se escondem atrás do Nome de Deus e da religiosidade. Alguns são até mesmos perseguidores contra as minorias sociais. Arrotam preconceito e
discriminação e ainda querem se espelhar no amor do Mestre Jesus. Usam a família e os bons costumes como máscaras para esconderem as suas verdadeiras intenções de ganhos pessoais políticos e financeiros. Na verdade, são ignorantes que estão muito longe do amor divino.

Reflexão
Escrevo essas linhas sem nenhum ódio no coração contra quem quer que seja. Existe uma lei na vida que é imutável: a ação e a reação. Ninguém planta tomate e colhe abacaxi. Já é tempo dos nossos políticos despertarem para a responsabilidade que assumiram de representar o povo nos seus mandatos, além dos seus interesses pessoais. Porque o que está em jogo é a paz de cada um, políticos e não políticos. E quem não quiser acreditar olhe para as cadeias da Lava-Jato repletas de políticos milionários, vaidosos, mentirosos e ladrões.

Oportunismo
Tenho visto muitos políticos no Acre se convertendo a algumas das centenas de linhas evangélicas. De repente se tornam “servos do Senhor” e, consequentemente, melhores que os outros simples mortais. Passam a ter um argumento que por serem evangélicos merecem os votos dos fiéis. Isso é um engano sem fim. É julgar os verdadeiros evangélicos como ovelhas sem cérebros e sem o dom divino do discernimento. E os evangélicos que conhecem verdadeiramente a palavra divina do Mestre Jesus não vão cair nessa armadilha do ego e da vaidade de alguns políticos mal intencionados.

A verdade de cada um
Obviamente que acredito também que hajam políticos que encontram pelo caminho do coração com alguma religião seja evangélica ou não. Mas esses não ficam usando a religião e o Nome de Jesus de maneira fácil em discursos demagógicos. Usam a fé de maneira silenciosa e sem proselitismo para enganar os incautos. A verdade divina é para inspirar os seres às ações corretas e não ao enriquecimento ilícito.

Túmulos caiados
No próprio Evangelho está escrito: “Ai de vós, fariseus hipócritas! pois que sois semelhantes aos túmulos caiados, que por fora parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundície.” Não dá para enganar todos o tempo todo. Claro que a nossa condição de mortais nos levam aos erros e às falhas. Isso faz parte da evolução natural da vida. Mas só existe uma maneira de superar esses desvios que é justamente tendo consciência das nossas limitações e pedindo ajuda quando é necessário.

Um sopro de inspiração
O Mahatma Gandhi libertou a Índia da poderosa imperialista Inglaterra sem disparar nenhum tiro, sem matar ninguém. Sobretudo falando a verdade para os indianos. Mostrando que cada um carrega dentro de si o dom divino e, portanto, é livre. Um filho do Criador não pode ser subjugado a ninguém se tiver consciência de quem é realmente. Nem mesmo a políticos ou sacerdotes oportunistas que escravizam os seus fiéis através do medo do inferno e da morte. A vida é eterna e essa escravidão que vivemos nos tempos atuais é fruto da ignorância. Cada um querendo só para si e se esquecendo do outro que está infeliz. Mas é preciso saber que, mais cedo ou mais tarde, também será atingido pela infelicidade. Porque o mundo tem uma unidade cósmica em que tudo influencia quem está vivo debaixo deste céu. Está na hora de despertar o amor desinteressado e entender que o paraíso e o inferno são aqui mesmo. Cada um na sua missão com humildade e na intenção de servir ao semelhante e, quem sabe, a gente consegue mudar um pouco esse nosso mundo de ilusão.

Jay Jay!

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.