Siga-nos

Aguarde processando...

X

Número de acreanos inadimplentes cresce 0,27% em um ano, aponta Acisa

G1

Dívidas atrasadas também aumentaram no estado. Segundo Acisa, acreanos tinham uma média de 1,980 dívidas em atraso em outubro deste ano.

O número de acreanos inadimplentes cresceu em outubro deste ano. Dados da Associação Comercial, Industrial de Serviço e Agrícola do Acre (Acisa) mostram que no mês passado o aumento de pessoas com inadimplência foi de 0,27%, se comparado ao mesmo período de 2016.

O índice supera o da Região Norte, que é de -1,34%, e fica acima da média nacional, 0,20%. Apesar do aumento, houve uma desaceleração anual do indicador no estado. Em outubro de 2016, o índice de inadimplência da população acreana foi de 3,28%, muito acima do que o atual.

As dívidas atrasadas também cresceram. Porém, a elevação está abaixo de 1% e foi tímida. As contas em atraso no Acre aumentaram 0,07% em outubro deste ano se comparadas ao mesmo mês do ano passado. Em outubro de 2016 a variação foi de 3,19%, o que indica uma queda neste ano.

Entretanto, de setembro para outubro deste ano, o número de dívidas do Acre cresceu 0,26%. A alta vai na contramão do que observado na Região Norte, que teve variação de -0,25%. Segundo a Acisa, o setor com maior alta no número de dívidas em outubro foi o de comunicação, 20,15%.

Também cresceu o número de devedores de setembro para outubro, o acréscimo foi de 0,2%. Já no Norte, a porcentagem ficou em 0,5%. Os números mostram que em outubro deste ano o número de devedores com alta mais expressiva no estado foram os da faixa etária de 85 a 94 anos, equivalente a 10,12%.

No mês passado, cada consumidor inadimplente no Acre tinha, em média, 1,980 dívidas atrasadas. O número ficou abaixo da média da Região Norte (1,982) e acima da nacional registrada no mês (1,949 dívidas). Porém, o índice ficou acima das 1,975 dívidas verificadas em setembro deste ano.

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.