Siga-nos

Aguarde processando...

X
Loading...

O povo acreano está vivendo no regime semiaberto”, dispara Sinhasique

Ravenna Nogueira

A líder do PMDB na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputada Eliane Sinhasique, destacou o aumento da criminalidade no Estado. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em 10 anos o número de homicídios no Acre cresceu 75%.

“O povo do Acre sai de manhã para trabalhar e no final do dia se tranca em casa com medo até de olhar pela janela. É como se estivéssemos no Regime Semiaberto, pagando por um crime que não cometemos. A violência está demais”.

Enquanto fazia a sua fala na Assembleia, na manhã de hoje (10), uma pessoa foi assassinada no bairro Calafate, em Rio Branco. “Está demais! Agora mesmo, uma pessoa acaba de ser assassinada. Ontem, assassinaram um rapaz no final da tarde aqui no Centro. Na semana passada, outro foi assassinado às 9h da manhã também no Centro”.

Segundo ela, as pessoas estão com medo de andar na cidade até durante o dia. “Estamos vivendo em total insegurança. Estão matando 3 e deixando 4 amarrados para matar no dia seguinte. Antes, matavam a noite. Agora, estão matando em qualquer horário”.

Além dos assassinatos, a parlamentar frisa que acontecem assaltos e roubos. “Ontem, roubaram um carro em frente à Academia Power Fitness. Lá em Vila Campinas, o posto de combustível do meu amigo Áureo Gentil está sendo assaltado 2 vezes a cada 10 dias”.

Até os taxistas e entregadores de lanche estão restringindo as corridas por conta da criminalidade. “Os taxistas e entregadores estão horrorizados, já não fazem entrega em qualquer bairro”.

Com todo esse caos na Segurança Pública, a parlamentar questiona: “Cadê o secretário de Segurança Pública?”.

Sinhasique é autora de requerimento que convoca o secretário Emylson Farias, na Assembleia, para dar explicações da crescente violência no Estado. “O trabalho dele está totalmente equivocado, fora do eixo, sem norte, sem direção. Não vemos ação concreta por parte da Segurança Pública no sentido de combater a criminalidade”.

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.