Rio Branco,

Durante Círio no AC, padre pede que fiéis rezem por vítimas de furacão

Por G1 acre

cirioAo menos cinco mil pessoas se reuniram, na tarde deste domingo (9) em Rio Branco, para participar do Círio de Nazaré. Durante a celebração católica, os fiéis foram chamados ainda para fazer uma oração pelas vítimas do furacão Matthew, que segundo estimativas, já matou quase 900 pessoas durante passagem pelo Haiti.

Publicidade

Com o tema ‘Maria de Nazaré, Mãe da Misericórdia’, o Círio iniciou na Gameleira, onde a imagem de Nossa Senhora de Nazaré chegou em uma embarcação, e seguiu até a catedral no Centro de Rio Branco.

O padre Mássimo Lombardi destacou que as orações pelas vítimas foram um pedido do Papa Francisco. Lombardi acrescentou também que esse ano a festa religiosa completa 84 anos no Acre. Para ele, o momento é de pedir a paz mundial, perdão e reconciliação.

“O papa pediu muitas orações para as populações, sobretudo do Caribe atingida pelo furacão. Teve muita morte e destruição. A gente acompanha todos os eventos mundiais e pedimos ao nosso Senhor que alivie tanto sofrimento e ajude todo o planeta terra a ser mais unido na solidariedade. O que acontece em um lugar, também tem influência sobre outro, então, o mundo é uma casa comum”, disse.

Lombardi lembra ainda que o Acre abrigou vários imigrantes, sendo a maioria de origem haitiana, desde 2010, após um terremoto na ilha. “É para que haja sentimento de misericórdia, reconciliação e claro que pedimos por esses nossos irmãos que estão sendo atendidos. Acolhemos mais de 30 mil haitianos e agora outros estão sofrendo”, lamentou.

Promessas
A celebração do Círio foi também uma oportunidade para que os fiéis católicos fizessem demonstrações de fé.

A estudante Maria de Nazaré, de 23 anos, conta que nasceu prematura e por isso a avó dela fez uma promessa, se a menina sobrevivesse receberia o nome da santa. “Fiquei muito feliz quando soube, porque nunca imaginei que alguém faria isso por mim”, conta a jovem que participa da procissão todos os anos como forma de agradecer pela saúde.

Já a costureira Antônia Amorim, de 53 anos, se tornou devota há aproximadamente cinco anos. “Foi uma promessa que fiz para meu pai que estava com pedra na vesícula e ele ficou bem”, diz.

Furacão Matthew
No Caribe, a passagem do Matthew com ventos de até 230 km/h causou grande destruição no Haiti, especialmente na parte do sul do país, que é o mais pobre das Américas. Milhares de casas foram destruídas, e cidades ficaram inundadas. As mortes ainda não foram calculadas, mas estima-se que quase chegam a 900 vítimas.

“Considerando as dificuldades de acesso a certas zonas e, sobretudo, as dificuldades de comunicação, não podemos dar um balanço definitivo antes de quarta-feira (12)”, disse à AFP a diretora de Defesa Civil, Marie-Alta Jean-Baptiste.

Algumas autoridades locais das zonas afetadas estimam que o balaço oficial, de 336 mortos, é subestimado. Segundo o senador Hervé Fourcand, o furacão Matthew causou a morte de pelo menos 400 pessoas no departamento Sul, que ele representa, enquanto que a Defesa Civil só contabilizou 78 mortes neste local.

No Caribe, o furacão também passou pela Republica Dominicana, onde quatro pessoas morreram, por Cuba e pelas Bahamas, de onde seguiu para o sudeste dos EUA.

O furacão Matthew foi rebaixado para a categoria de ciclone pós-tropical neste domingo (9), quando atingiu a Carolina do Norte e a Virgínia com um reduzido mas ainda potente impulso, causando inundações e interrupções generalizadas no fornecimento de energia ao longo da costa do Atlântico nos Estados Unidos.


Publicidade




ÚLTIMAS

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Publicidade