Siga-nos

Aguarde processando...

X
Loading...

Juruá registra 12 mortes violentas nos cinco primeiros meses de 2017

Polícia Civil chegou a afirmar que mortes teriam ligações com facções criminosas. Crimes têm indícios de execução.

Por G1, Cruzeiro do Sul

Com pouco mais de 80 mil habitantes, a segunda maior cidade do Acre, Cruzeiro do Sul, tem registrado um número alto de mortes violentas desde o início do ano. Em um levantamento feito pelo G1, através do site do Instituto Médico Legal (IML) e matérias anteriores, foi possível constatar ao menos 11 mortes violentas entre janeiro e maio deste ano.

A reportagem tentou, mas não conseguiu falar com a Polícia Militar até a publicação desta reportagem. Só em fevereiro, foram 7 mortes registradas.

Janeiro

Na noite do dia 3 de janeiro, Cleonardo Barboza Martins, de 31 anos, foi morto no bairro Telégrafo. Dois homens de preto passaram em uma moto pela frente da distribuidora que ele gerenciava e efetuaram ao menos três disparos.

Fevereiro

O ajudante de pedreiro José Manoel Felipe Correia Galvão, de 22 anos, foi encontrado morto com dois tiros na cabeça, duas facadas e com o pescoço degolado, no dia 4 de fevereiro, no Conjunto Buriti.
A irmã da vítima, que não quis se identificar, e a polícia acreditam que o jovem tenha sido atraído para o local do crime e tenha sido vítima de uma emboscada.

Manassés Coelho, de 22 anos, foi morto a tiros no bairro São José no dia 10 de fevereiro. Um adolescente de 15 anos chegou a ser ferido no mesmo dia, mas sobreviveu. O pai chegou a dizer que o filho tinha sido vítima de um latrocínio.

Dois dias após, no dia 12, Eliezio de Melo Matos, de 15 anos, foi morto a tiros dentro da casa de sua mãe no bairro Formoso. A mãe conta que o menino havia informado que estava sendo ameaçado.

Ítalo Almeida Araújo, de 31 anos, foi a quarta vítima em fevereiro. No dia 20, ele foi morto a tiros no bairro São José. A Polícia Civil informou que se tratava de uma execução e ninguém foi preso. Araújo já havia cumprido 6 anos de prisão por tráfico de drogas.
O delegado Lindomar Ventura chegou a afirmar na época que as quatro mortes teriam ligação com facções criminosas.

No dia 28 de fevereiro, os primos Mauri Lima da Silva, de 32 anos, e Antônio Lucas Oliveira de Souza, de 21, foram executados quando estavam na varanda de casa no bairro da Várzea.
Na época, o delegado Alexnaldo Batista também informou que os indícios levavam a crer que se tratava de mais uma execução organizada por grupos criminosos.

Com quase 20 facadas, Lucas Silva Mendonça, de 16 anos, foi morto na noite de 28 de março, em Rodrigues Alves, após ter encontrado com um outro adolescente, também de 16 anos, com quem havia se desentendido dias antes. De acordo com a polícia, Mendonça teria esfaqueado o suspeito, que resolveu se vingar.

Abril

No site do IML consta ainda a morte de Jair Rocha do Vale, de 36 anos, no dia 9 de abril, por arma de fogo na comunidade Tatajuba, no Paraná dos Mouras, zona rural de Rodrigues.
Erisson Lima da Cruz, de 21 anos, foi morto na noite de 22 de abril em um bar no bairro do Cruzeirão, em Cruzeiro do Sul, interior do Acre. Para a família, o crime pode ter sido motivado por um acerto de contas. Dois homens chegaram no bar e dispararam ao menos 12 vezes contra a vítima, quatro atingiram Cruz.

Maio

O jovem Francisco Aldo Miranda, de 17 anos, foi morto com cerca de 3 tiros, no dia 3 de maio, quando estava na casa de um vizinho no bairro Formoso, em Cruzeiro do Sul. A polícia informou que o crime teria sido motivado porque o jovem defendeu o cachorro de levar uma pedrada.

O jovem Rodrigo Negreiro de Freitas, de 22 anos, foi morto a tiros no bairro Remanso no dia 18 de maio. A vítima foi atingida com ao menos 7 tiros. Abalada, a família foi à delegacia, mas não quis falar com a imprensa. A mãe se limitou a dizer que não sabia que o filho estava sendo ameaçado. No boletim de ocorrência também não informa se houve testemunhas do crime.

 

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.