Siga-nos

Aguarde processando...

X
Loading...

Recém-nascido recebe transplante de coração no último minuto.

Redação Ecos da Notícia

Normalmente, o nascimento de um bebê é uma ocasião muito feliz. Mas quando Lincoln Seay nasceu, todos estavam extremamente preocupados: o recém-nascido só tinha alguns segundos de vida e já estava lutando contra a morte. Isso porque Lincoln sofria de uma rara doença genética que fazia seus órgãos se desenvolverem no lado errado do seu corpo. Seu coração era tão fraco que ele precisava imediatamente de uma cirurgia para sobreviver.

Os médicos em Anchorage, no Alasca (EUA), logo operaram o pequeno Lincoln, estabilizando sua condição. Porém, novos testes mostraram que essa solução seria apenas temporária. A única esperança de Lincoln sobreviver por um longo tempo era através de um transplante de coração. Tudo o que a família podia fazer era esperar que um doador fosse encontrado a tempo.

Três longos meses se passaram até que a família recebesse as boas notícias: um coração estava a caminho. Lincoln foi levado para uma clínica especial em Seattle, onde o transplante seria feito. No entanto, a condição do bebê estava ficando constantemente pior, e o tempo estava se esgotando. Os pais, ansiosos, esperavam enquanto assistiam seu filho lutando pela vida a cada suspiro.

Enquanto esperava o coração chegar à clínica, a condição de Lincoln se tornou crítica. Os médicos trabalhavam fervorosamente para mantê-lo vivo. Sua mãe, Mindy, relembra: “Eles estavam fazendo compressões torácicas e, pelo que entendo, isso não estava levando a lugar nenhum. Então, como o coração ainda estava a caminho, eles foram em frente e abriram seu peito. O cirurgião colocou a mão dentro e fez compressão manual no coração dele até que o novo chegasse.”

Finalmente, o órgão chegou à clínica e a cirurgia começou. O transplante foi feito “voando”, com um médico massageando o coração defeituoso de Lincoln até o momento em que o novo estivesse pronto para ser colocado. Quando o novo coração já estava no lugar, todos esperaram pelo momento da verdade. Será que um bebê tão pequeno e franco sobreviveria a um procedimento tão invasivo? No início, as coisas não pareciam boas, e, por alguns minutos, Lincoln estava oficialmente morto.

Então, o seu novo coração começou a bater! O corpo de Lincoln estava aceitando o órgão doado, e suas chances de sobreviver eram boas. Todos podiam respirar aliviados, e os pais de Lincoln estavam obviamente cheios de alegria.

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.